Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Blog do Raul

Aécio Neves

Um verdadeiro Partido Social-Democrata !

O novo Partido Social Democrático – PSD do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, dificilmente será incluído entre os nanicos da política brasileira. Ele nasce em laboratório jurídico e acadêmico, com vocação de partido médio, com os mesmos objetivos executados pelo prefeito em legendas utilizadas anteriormente por ele – PL, PFL e DEM. Com um projeto político pessoal em curso, como das vezes anteriores, é claro que o prefeito emprestará o PSD a outros projetos de aliados circunstanciais, longe de ideologias e doutrinas. De outro lado, o PSDB precisa justificar a sua denominação social-democrata e não se isolar ainda mais durante os movimentos do novo abrigo de políticos em litígio com as suas legendas.

Brasil a frente com Serra Presidente !

A contragosto de muitos analistas políticos e de convivas do lulopetismo espalhados pelas redes sociais, os resultados das pesquisas pré-eleitorais confirmam a liderança do governador José Serra (PSDB-SP) para a presidência da República em 2010, sem que ele tivesse se apresentado como candidato, desfrutado do mesmo índice de exposição da candidata do PT (Dilma Rousseff) ou contasse com um cabo eleitoral como Lula. Os últimos números divulgados pelo Ibope, de levantamento realizado entre os dias 6 e 9 de fevereiro, apenas atualizam a percepção de que Serra irá para o segundo turno ou, na hipótese de Ciro Gomes receber outra missão do presidente Lula, Serra vencerá o pleito logo no primeiro turno.

Esse cenário comporta análises óbvias de otimismo do PSDB por uma vitória que resgata o seu modo de governar para o país, e de celebração do PT com a justificativa de que a sua candidata ainda sem ser caracterizada como “a Cara” do Lula avança rumo ao empate técnico antes da campanha “começar”. Mas vejo que o PT aposta na impunidade da sua campanha antecipada e se mostra equivocado quando torce pela comparação entre os dois últimos governos do partido, com os dois comandados por Fernando Henrique Cardoso, mesmo consciente que a sua candidata está prestes a alcançar o seu patamar de votos, em torno de 30%. Serra, FHC, Aécio Neves, Geraldo Alckmin, Tasso Jereissati, Beto Richa, lvaro Dias, Teotônio Vilela, Velozo Lucas, Arthur Virgílio, Yeda Crusius, Sérgio Guerra e muitos outros tucanos, por exemplo, não têm medo de comparar ações e resultados.

Os atuais 25% obtidos por Dilma na pesquisa Ibope não lhe pertencem, porque é um percentual conseguido única e exclusivamente pela transferência de prestígio do presidente Lula, que surfa na mesma popularidade que não foi suficiente para reeleger Marta Suplicy prefeita de São Paulo em 2004 ou para a sua última tentativa em 2008. Pelo contrário, o governador José Serra desponta e se sustenta na liderança dessas pesquisas eleitorais porque é o político mais conhecido no Brasil, dentre os atuais concorrentes, e detém o menor índice de rejeição de todos eles.

Mas o governador José Serra tem biografia e um currículo recheado de idéias, ações, experiência e resultados políticos e administrativos. Se a comparação for a partir desse ponto, rejeitada pelo lulopetismo, independentemente das candidaturas postas no cenário nacional, a vantagem pertence indiscutivelmente ao candidato do PSDB. Não tenho dúvida que ele será o candidato e que a partir do momento em que estiver desincompatibilizado das tarefas que programou no Governo do Estado de São Paulo, Serra exercitará o seu poder de articulação para definir o arco de alianças políticas, ditos palanques regionais.

Não há eleição ganha por antecipação. Esse processo prevê expressão nacional das candidaturas, campanha, debates, comparação de visões, modos de fazer e feitos pelo Brasil. Assino embaixo do artigo de FHC, reconhecendo que com o seu legado político, econômico, social e administrativo, não temos que temer o passado estruturante do presente com Lula. Daqui a 61 dias, esses ingredientes serão postos para todos os brasileiros. Erram agora os precipitados e também aqueles que apostam numa Nação dividida e sem rumo.

No que toca o PSDB, vale a pena lembrar dos alertas para não se apequenar em qualquer situação, como escreveu certa vez o saudoso ministro Sérgio Motta, porque o Brasil exige energias renovadas, disposição, capacidade e competência para responder as suas expectativas com um governo de verdade !

O destino de Serra e Aécio !

O anúncio da desistência da pré-candidatura a Presidência da República, pelo governador Aécio Neves (PSDB-MG), não precipita nada na estratégia do partido em relação à definição do seu nome para 2010. Neste domingo o Instituto Datafolha revelou novos números de pesquisa realizada após o programa de televisão do PT, que "atormentou" até alguns tucanos pela eficiência da comunicação dos lulopetistas, mas reforçou a liderança do nome do governador José Serra, com 37% (14% na frente de Dilma Rousseff). Esse resultado pareceu óbvio para todos, porém o destino de Aécio no processo eleitoral do ano que vem está gerando todo tipo de comentário, principalmente de quem torce pela divisão do PSDB e por uma suposta oposição de Minas Gerais a uma candidatura tucana que não seja de lá.

Já escrevi que entendo as razões do governador José Serra em não colocar o bloco na rua antes do tempo. No comando de São Paulo ele considera que há ainda muitas urgências administrativas que ele deseja consolidar como titular do cargo de governador. Acompanho a sua desenvoltura como testemunha das ações de governo, tanto como membro da sua equipe, quanto como dirigente do partido na comissão executiva estadual, atualmente empenhado na identificação e formação de chapas de candidatos a deputados estaduais e federais em todo Estado.

Por outro lado, essa "indefinição" do PSDB perturba mais os seus adversários que o próprio partido, porque o seu arco de alianças partidárias para 2010 está definido com muita antecedência e não é motivo de dúvida para quem analisa o cenário político nacional. Com o PSDB seguirão DEM, PPS e boa parcela do PMDB, apesar da influência exercida pelo presidente Lula em seus quadros mais autênticos (sic) José Sarney, Renan Calheiros, Romero Jucá etc.

Como fundador e militante do PSDB lamento que as instâncias de participação de todos os seus filiados no processo decisório ainda são limitadas. Nunca alimentei qualquer expectativa de que a escolha do presidenciável tucano para as próximas eleições acontecesse por meio de prévias ou primárias internas ou ampliadas. Luto por isso internamente, mas ainda há um longo caminho até obter esse amadurecimento e a consolidação da democracia interna, que conseguimos incluir no primeiro esboço dos seus estatutos e ainda não aconteceu. Mesmo assim, o PSDB nasceu como um partido de quadros e para as disputas de cargos majoritários sempre observou o entendimento entre os seus líderes maiores, como Franco Montoro, Fernando Henrique, Mário Covas, José Richa, Pimenta da Veiga, Tasso Jereissatti, José Serra, Aécio Neves e Geraldo Alckmin.

O candidato da vez é José Serra e não tenho dúvidas de que ele anunciará a sua disposição antes da Convenção Nacional no mês de junho. As pesquisas reconhecem essa condição e o governador Aécio Neves apenas convergiu, com o seu anúncio de servir ao seu Estado e ao país transferindo a sua chama política para outra direção. Ele tem o tempo que quiser para decidir, sem a aflição que acomete a imprensa e o lulopetismo, sobre as definições do PSDB.

Também não será a militância tucana que irá decidir o futuro de Aécio, bem como o seu próximo desafio partidário. Acho que há urgências maiores que o anúncio de Serra e de Aécio para 2010, como por exemplo a possível candidatura de Tasso ao governo do Ceará, Firmino Filho no Piauí, Álvaro Dias ou Beto Richa no Paraná, Luiz Paulo Velloso Lucas no Espírito Santos, Yeda Crusius no Rio Grande do Sul. Esses palanques são fundamentais para a campanha do PSDB no ano que vem, justamente porque servirão para ascender novas lideranças tucanas para o futuro próximo.

Agora, se você quer saber mesmo a minha opinião sobre a melhor chapa para liderar a aliança PSDB, DEM, PPS e boa parte do PMDB, não hesito dizer que ficarei muito feliz em votar José Serra Presidente, Aécio Neves Vice-Presidente, que representam de fato a unidade pelo Brasil!