Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Blog do Raul

Participação política e discurso atual

A participação política em perspectiva.

 

 

 

 

 

 

O calendário eleitoral para as eleições de 15 de novembro de 2020 prevê campanha a partir de hoje (27 de setembro). Logo cedo estive numa padaria perto de casa, que frequento há quase 40 anos, e pude sentir o clima. Como participei de outras campanhas, como candidato ou militante apoiador, e sou uma figura pública na região da Baixada Santista, não passei despercebido. Não faltaram acenos e olhares de alguns fregueses, e fui abordado pela moça do caixa com a pergunta: __ Seu Raul, o senhor está no páreo?

Não, não estou no páreo, tenho outra missão, respondi a ela e faço questão de registrar aqui no blog. Na semana passada escrevi sobre impressões das campanhas que acontecem no Brasil e nos Estados Unidos, em meio à pandemia do novo coronavírus (#Covid19), justificando trocas de mensagens com amigos e companheiros de lutas comuns ao longo de uma vida inteira, desde o movimento estudantil secundarista, nos anos 1970.

É evidente que as bandeiras passadas estão consolidadas e garantindo uma participação irrestrita da população nos canais de manifestação e decisão políticas. Me refiro à democracia, que em diversas oportunidades nos últimos tempos foi posta ao risco de medidas autoritárias. Atualmente essas medidas se baseiam principalmente no preconceito social, político, doutrinário, ideológico, de gênero e raça. O que há de retrocesso nisso vale um post específico.

Mas tratando mesmo das eleições municipais, que renovarão ou darão novos mandatos a prefeitos, vice-prefeitos e vereadores (entenda-se femininos também, para ser mais explicito), em todo o país, neste ano, o foco deve ser outro. Porque o elenco de expectativas do eleitorado é completamente diferente das eleições passadas, antes desse novo normal esperado pela sociedade.

O futuro em perspectiva passa a ser o maior desafio dos candidatos em suas tentativas de convencimento em busca do voto de confiança e nas urnas. No horizonte, nessa quarentena vivida a partir de meados de março no Brasil, a única perspectiva é a vacina e bem como a vacinação em massa, para permitir um novo fôlego à superação e sucesso de cada um e suas metas sonhadas. Afora isso, qual o discurso diferente de um candidato para conquistar a atenção popular?

Enquanto escrevo este texto, acompanho o movimento nas praias cariocas neste domingo. Pessoas de todas as idades, contrapondo às regras usuais para seguir os protocolos da comunidade médica e científica no enfrentamento à pandemia, circulam ou se agrupam estacionadas na areia, sem máscaras e sem cumprir a distância mínima de segurança da possibilidade de contaminação.

O Rio de Janeiro não vem se constituindo no melhor exemplo para o Brasil, também no tocante à administração pública, haja vista o histórico de seus últimos governantes do Estado e respingos nas municipalidades. Mas esse mal exemplo deve ter uma resposta, inclusive além do Rio, de modo que a sociedade brasileira como um todo se sinta representada por uma legião de dirigentes que está para ser eleita.

Um de meus temores está na polarização de um conflito pretérito entre a ciência e a religião, que atualmente se comparam ao negacionismo das mudanças climáticas e o futuro do planeta em jogo. Quando se colocam em dúvida conceitos científicos, por exemplo, não se trata da simples garantia da liberdade de opinião, mas uma visão ingênua do mundo atual. Por outro lado, qual é mesmo a expectativa da sociedade para se convencer?

Reitero que não é uma tarefa fácil hoje a apresentação como candidato vendedor de sonhos de mudanças e transformações radicais nas vidas das pessoas. O protocolo exige que as promessas estejam sincronizadas com a verdade e a bem dessa afirmação, a Justiça Eleitoral tem feito uma campanha muito assertiva nos seus alertas contra as Fake News e no incentivo à maior participação da juventude nas campanhas deste ano, com a provocação de que “nunca é cedo para fazer a diferença”.

Aposto na indicação de novos caminhos a serem percorridos, com garantias concretas de trabalho, pão, casa, saneamento básico, educação, cultura, segurança e paz para todos. O povo precisa se sentir seguro para que os resultados eleitorais de 2020 sejam os melhores e mais conectados com o valor do seu voto.

Compartilhe

7 comentários em “Participação política e discurso atual”

  1. Sara Bittante Albino

    Raul gostei do seu texto retrata bem sobre como todos deveríamos ponderar antes de votar.

  2. Elizabeth Faria

    Tenho esperança que um dia você volte ao páreo.
    Salve, Salve, Rainha das Serras.

  3. José do Nascimento Machado

    Não terão meu voto e nem farei campanha. Cansei das promessas não cumpridas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *