Blog do Raul

Quem não vê o BBB?

Pela audiência o BBB é a maior atração da TV

Fui buscar justificativas científicas sobre o sucesso de público do reality show BBB – Big Brother Brasil, que chega à sua 22.ª edição pela TV Globo. Encontrei o que esperava: o povo ama programas dessa natureza porque lhe passa uma sensação de prazer e saciação da curiosidade.

Em resumo, dar uma passada básica pela sala de TV e assistir ou ouvir esse programa, assanha um certo “voyeurismo”. Não o transtorno propriamente dito, cuja tendência é observar, às escondidas, cenas íntimas ou eróticas levadas a efeito por outras pessoas com o fim de obter prazer sexual. Somos chegados a assuntar a vida dos outros, ouvir conversas além das paredes. Quem não age minimamente assim, que atire a primeira pedra.

Ora, em edições anteriores à que está em curso atualmente, houve um caráter educativo por conta desse extrato social de brasileiros, atuantes como se estivessem numa cabine para uma pesquisa qualitativa de opinião. O debate sobre comportamento humano e costumes da sociedade atual é travado em mosaico, de modo que é possível a identidade e as comparações dos centrados no programa e os confinados na casa cênica.

No ano passado, especialmente, quando a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) entrava no seu segundo ano e as ações restritivas para a movimentação das pessoas fora de casa estavam bem mais fortes, a audiência explodiu na estreia: cerca de 43 milhões de brasileiros estiveram ligados na emissora.

Os efeitos disso, neste ano, para as contas da emissora e nos trends da rede mundial de internet são possantes. Em termos financeiros, por exemplo, a previsão de faturamento do reality gira em torno de R$ 690 milhões, um recorde de receitas.

Na internet, em especial nas redes sociais, Twitter e Facebook, o BBB 22 lidera na maior parte do tempo, entre os assuntos mais buscados e referenciados. Isso mostra o fenômeno que, conforme o Ibope, recente, para ilustrar esse olhar sobre o assunto, entre a segunda e a terceira semana de exibição, o BBB 22 ganhou 1 milhão de telespectadores na TV, atingindo a marca de 79 milhões de pessoas ligadas no canal.

Afora os dados da audiência, que repetem edições de Big Brothers em vários países, com a mesma receita de acesso às câmeras na vida das duas dezenas de participantes, em média, pessoas normais mescladas de artistas e célebres, durante 3 meses, 24 horas por dia, sem interrupções, podemos até dizer que é uma atividade sócio-cultural, reprodução do nosso cotidiano.

Os palavrões são fluentes, sem se importar muito com o discernimento da assistência. Faz parte, hoje virou normal um palavrão entre os adjetivos. Há reações resistentes ao programa por causa disso, quando não pelo preconceito à diversidade. A moda ditada é dos patrocinadores, que igualam todos em banhos de loja, gerando uma aparência globalizante. Não sobressaem a condição social e a econômica dos confinados.

Mas o politicamente correto censura as derrapadas, filtrando a consequência do lado de fora da casa, como aconteceu sobre a forma do cabelo black power do professor João Luiz, no BBB 21, que quase enterrou a carreira do cantor sertanejo Rodolffo. A comunicação age em nossos sentidos, sem perceber o quanto somos manipulados.

Essa vitrine exibe as fraquezas humanas. Hoje se percebe um esforço para uma presença de cena planejada, parecendo um roteiro combinado. Sabe-se que desse reality, uma parcela ganha a condição de celebridades, com ou sem contratos de atuação na própria TV Globo. Se houver talento e comprometimento, essa oportunidade turbina carreiras de influenciadores digitais, na propaganda, moda e, raramente, na política. Aliás, para essa perspectiva, assistindo ao programa no todo ou em partes, nos últimos anos, não há um pio.

Enfim, os exemplos de remanescentes das 21 edições do BBB, mais do que os R$ 1,5 milhão do prêmio ao vencedor final, estão por aí, participando desse novo normal como todos nós. Não acredito na fala daqueles que dizem que não assistem ao Big Brother. Afinal, quem no mundo atual gosta de ficar sem assunto, especialmente do momento, quando os acontecimentos confinados estão reverberando do nosso lado, falando sobre nós mesmos, da nossa realidade, no alcance do tamanho dos nossos espaços?

Artigo publicado no site do “Jornal da Orla” de Santos, espaço de colunistas, Um Olhar Sobre o Mundo, em 11 de fevereiro de 2022.

Compartilhe

1 comentário em “Quem não vê o BBB?”

  1. Cláudio Amaral

    Cuidado, Amigo Raul. Você pode estar arrumando encrenca para sua vida. Você pode, a partir de agora, receber algumas (muitas) pedradas inesperadas. Abraços e boa noite.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.