Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Blog do Raul

Distância entre copiar e fazer!

Nunca me preocupei com a paternidade dos programas governamentais. Sempre me voltei para as suas conseqüências em relação ao público alvo e à criação de mecanismos que proibissem a interrupção de políticas públicas bem sucedidas. O gestor que tem uma visão global das principais necessidades de um país sabe como ninguém manejar o orçamento público para garantir os resultados esperados além das ideias e dos seus desenhos de projetos e programas. Na minha visão, José Serra (PSDB) se encaixa nesse perfil e foi assim que ele promoveu ajustes radicais no orçamento municipal da Capital de São Paulo, logo que sucedeu a petista Marta Suplicy, transformando a cidade em um imenso canteiro de obras e numa usina de novas políticas sociais emancipatórias.

Durante a campanha eleitoral de 2010, o mesmo José Serra propôs a criação de 1 milhão de vagas no ensino técnico, aproveitando a estrutura de escolas técnicas federais e mantidas por Estados, municípios e entidades não governamentais, para atender à enorme demanda de educação para o trabalho. Esse diagnóstico é denunciado em todas as mídias, quando o assunto é o crescimento econômico e a dependência de mão de obra qualificada para melhorar os atuais níveis da produção industrial e da prestação de serviços.

Como Serra conhece os custos e o volume de investimentos necessários para realizar essa proposta, que pretendia executar se tivesse sido eleito para presidir o Brasil, na mesma época o presidenciável tucano propôs a extensão do ProUni – Programa Universidade para Todos para permitir o acesso dos alunos carentes às escolas técnicas particulares e do próprio Sistema S – Senai, Sesc, Senac, Senat etc. Ele não teve sucesso eleitoral, mas a sua proposta, notabilizada como um dos carros-chefes da sua campanha política, acaba de ser absorvida pela presidenta Dilma Rousseff (PT).

Na sua primeira aparição em cadeia de rádio e televisão, a presidenta da República anunciou sem cerimônia o Pronatec – Programa Nacional de Acesso à Escola Técnica, que vem a ser o ProUni do ensino técnico, como José Serra defendeu mais em 2010. Nessa cópia da ideia do candidato do PSDB, sem qualquer elegância de creditar o seu verdadeiro proponente, não teve nem mesmo o cuidado de detalhar e estruturar a iniciativa. Para os desavisados, principalmente com o trabalho de marketing dos atuais dilmaPTistas, nunca antes na história deste país outro terá pensado e sugerido matéria semelhante.

Acontece que desde 2007 o Prouni com bolsas extensivas aos estudantes do ensino técnico vem sendo formulado por parlamentares e pela iniciativa legislativa do próprio governo federal. Tenho conhecimento de projetos de leis do ex-deputado federal Antonio Palocci (PT), em 2007, e do deputado federal Márcio França (PSB), em 2008. No final de 2007, provocado por proposta do então deputado federal Lobbe Neto (PSDB), fundida com propositura do Senado Federal, o Congresso Nacional aprovou e o ex-presidente Lula da Silva sancionou lei ampliando a abrangência do FIES para os estudantes de pós-graduação, especializações e ensino técnico de nível médio. Até agora o Ministério da Educação não conseguiu tirar do papel.

O problema é que os governos PTistas copiam mal as ideias, de maneira que não conseguem executar quando não pegam o bonde andando, como aconteceu com o Plano Real de Estabilização da Economia, o Fundo de Desenvolvimento da Educação e Valorização do Magistério – Fundef, a Bolsa Escola Federal, o Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM etc. E relembrem os fracassos dos programas Fome Zero, Primeiro Emprego, Aceleração do Crescimento – PAC, o Enade e das modificações do ENEM.

O mérito do governante se completa na associação da ideia, com o desenho/planejamento e o cronograma de execução e avaliação dos seus resultados. Em relação ao governo da presidenta Dilma Rousseff é cedo para emitir um parecer sobre a sua eficiência em gerir o todo, embora as suas experiências pouco exitosas com o gerenciamento do Plano Energético e do PAC sejam amplamente conhecidas. Mas não tenho dúvida que sob a presidência de José Serra o país estaria sob mãos mais capazes e competentes.

Compartilhe

7 comentários em “Distância entre copiar e fazer!”

  1. Alem disso tudo é preciso um olhar sobre o que aconteceu com o perfil do aluno da Rede Federal de Educação Tecnológica. A eletização do bom e caro ensino técnico da Rede.
    O PT desmancha a politica da era FHC/Paulo Renato que devolvia o ensino técnico a quem ele deve ser destinado, que é o filho do trabalhador e coloca de volta nas mãos das classes mais abastadas que querem se preparar para o vestibular. Quem quiser saber mais é só ler a “Conclusão” do trabalho dos Profs. Kruger e Tamabara da UNISINOS.
    http://www.unirevista.unisinos.br/_pdfUNIrev_Kruger_e_Tambara.pdf

  2. Isabel Teixeira

    Se é bom e o povo vai se beneficiar, porque não, eu reconheceria, claro!!!

  3. Gustavo De Andrade Zaccano

    Esta fogueira das vaidades , continuará prejudicando tal governo e por conseguinte,todos nós.

  4. Denize Ligori

    Partindo do principio que os governantes, eleitos pelo povo, querem o melhor…não vejo porque não reconhecer uma iniciativa quando a mesma é para o bem da população.

  5. Fidel Bomfim

    Os nossos nobres parlamentares deveriam sempre PENSAR ALTO EM PROL DO BRASIL. Acontece que, até dentro do mesmo partido há rivalidades, um puxando o tapete do outro… Imaginem, então, como rola a coisa entre elementos de partidos adversários. O que é bom deve ser copiado, melhorado, expandido, seja a ideia original de quem for. Porém, quem copia, deveria, por uma questão de ética e de respeito, citar a fonte original. Qual é o problema, se for para o bem do país?

  6. Edson Mello

    Jornalista Raul Christiano Sanchez

    Como se demonstrou durante as bem (?) sucedidas campanhas presidenciais de José Serra em 2002 e 2010 que ele NÃO era o pai dos genéricos, NEM do programa contra a AIDS.

    O primeiro, como bem se sabe foi o ministro do Governo Itamar Franco, Jamil Haddad (falecido).

    O segundo foi o Dr. Adib Jatene, que está vivo e desmente o Serra a cada entrevista.

    O Serra é um MITÔMANO. E o senhor está corroborando as MENTIRAS dele.

    Pelo que posso observar, Serra é apenas produto de uma imprensa venal (que ele comprou com dinheiro público com assinaturas da VEJA, de Jornais via Gráfica da FSP p. ex., e materiais de BAIXA QUALIDADE para a rede de ensino público estadual (livros pornográficos e países com localização geográfica errada – caso dos 2 Paraguais, entre outras barbaridades). Está aí o motivo pelo qual a VEJA apodou-o como de “elite da elite”.

    TODAS as informações acima podem ser obtidas, devidamente documentadas e COMPROVADAS no blog NAMARIANEWS ( http://namarianews.blogspot.com/ ) desde meados de 2009.

    Essa ideia do PROUNI dos técnicos ou das Escolas Técnicas (PROTEC), mais uma vez, é MENTIRA do Serra. E mentira “twittada”. Sua também, uma vez que o senhor a corrobora através do artigo acima.

    O “assaltado” é o petista Antonio Palocci. O VERDADEIRO idealizador do PROTEC.

    Como duvido que este comentário seja aceito em seu blog envio cópia do PL de 2007 apresentado pelo, hoje, Ministro da Casa Civil.

    Creio que não é corroborando mentiras de um MITÔMANO que o senhor, em quem já votei, vai realavancar sua carreira política tão bem iniciada em Cubatão.

    Este PL pode ser encontrado em:

    http://www.camara.gov.br/sileg/Prop_Detalhe.asp?id=379572

    Para facilitar posto cópia do PL do Dep. Antonio Palocci

    “Projeto de Lei e Outras Proposições
    Consulta Tramitação das Proposições
    Proposição: PL-2551/2007
    Autor: Antonio Palocci – PT /SP
    Data de Apresentação: 05/12/2007
    Apreciação: Proposição Sujeita à Apreciação do Plenário
    Regime de tramitação: Prioridade
    Situação: MESA: Arquivada.
    Ementa: Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa de Educação Profissional Técnica de Nível Médio para Todos – PROTEC, e dá outras providências.
    Indexação: Criação, Programa, Educação Profissional, Educação Técnica, Nível Médio, isenção, imposto de renda, pessoa jurídica, (CSLL), (PIS), instituição privada de ensino, escola particular, concessão, bolsa de estudo, curso técnico, limitação, renda per capita, estudante. isenção fiscal, entidade,
    Despacho:
    13/12/2007 – Às Comissões de Educação e Cultura; Finanças e Tributação (Mérito e Art. 54, RICD) e Constituição e Justiça e de Cidadania (Art. 54 RICD) – Art. 24, II Proposição Sujeita à Apreciação Conclusiva pelas Comissões – Art. 24 II Regime de Tramitação: Ordinária

    Legislação Citada

    Apensados
    PL 4442/2008
    PL 7395/2010
    Última Ação:
    Data

    31/1/2011 – Mesa Diretora da Câmara dos Deputados (MESA) – Arquivado nos termos do Artigo 105 do Regimento Interno da Câmara dos Deputados.

    Andamento
    Obs.: o andamento da proposição fora desta Casa Legislativa não é tratado pelo sistema, devendo ser consultado nos órgãos respectivos.
    Data
    5/12/2007 PLENÁRIO (PLEN)
    Apresentação do Projeto de Lei pelo Deputado Antonio Palocci (PT-SP).(íntegra)
    13/12/2007 Mesa Diretora da Câmara dos Deputados (MESA)
    Às Comissões de Educação e Cultura; Finanças e Tributação (Mérito e Art. 54, RICD) e Constituição e Justiça e de Cidadania (Art. 54 RICD) – Art. 24, II Proposição Sujeita à Apreciação Conclusiva pelas Comissões – Art. 24 II Regime de Tramitação: Ordinária (íntegra)
    13/12/2007 Mesa Diretora da Câmara dos Deputados (MESA)
    Encaminhamento de Despacho de Distribuição à CCP para publicação.
    19/12/2007 COORDENAÇÃO DE COMISSÕES PERMANENTES (CCP)
    Encaminhada à publicação. Publicação Inicial no DCD de 20/12/07 PÁG 67875 COL 02(publicação)
    20/12/2007 Comissão de Educação e Cultura (CEC)
    Recebimento pela CEC.
    27/3/2008 Comissão de Educação e Cultura (CEC)
    Designado Relator, Dep. Carlos Abicalil (PT-MT)
    28/3/2008 Comissão de Educação e Cultura (CEC)
    Prazo para Emendas ao Projeto (5 sessões ordinárias a partir de 31/03/2008)
    9/4/2008 Comissão de Educação e Cultura (CEC)
    Encerrado o prazo para emendas ao projeto. Não foram apresentadas emendas.
    12/12/2008 Mesa Diretora da Câmara dos Deputados (MESA)
    Apense-se a este o PL-4442/2008.(íntegra)
    1/6/2010 Mesa Diretora da Câmara dos Deputados (MESA)
    Apense-se a este(a) o(a) PL-7395/2010.(íntegra)
    17/12/2010 Comissão de Educação e Cultura (CEC)
    Devolvida sem Manifestação.
    31/1/2011 Mesa Diretora da Câmara dos Deputados (MESA)

    Arquivado nos termos do Artigo 105 do Regimento Interno da Câmara dos Deputados.”

    Edson

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *