Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Blog do Raul

Só um rei para mandar calar a boca ?

Ainda repercute o pito do rei Juan Carlos no presidente ad-sempre (sic) da Venezuela, Hugo Chávez. Hoje, pela manhã, na CBN, Arthur Xexéu disse que Chávez deve adorar a sua própria voz e por isso está sempre fazendo comentários fora de hora; como ele é um chefe de Estado, os convivas de ocasião acham graça, mas só o rei da Espanha teve a coragem de mandar que ele calasse a boca, durante a Cúpula Ibero-Americana, no Chile. Como palavra de rei não volta atrás e imaginando o sentimento do povo brasileiro em relação aos falastrões, quem sabe este comentário consiga saber dos leitores deste blog, quais personangens públicos mandariam calar a boca também.

O cala-boca do rei interrompeu críticas de Chávez ao ex-primeiro-ministro conservador espanhol José Maria Aznar, a quem chamou de fascista. O atual primeiro-ministro da Espanha, José Luis Zapateiro, antes do rei havia rechaçado Chávez, declarando que Aznar fora eleito democraticamente duas vezes para governar o seu país. Realmente uma saia justa internacional, que nos faz imaginar a moda pegando no Brasil, com advertências públicas às múltiplas gafes.

Nos últimos tempos verificamos muitas das nossas autoridades, falando de improviso ou de maneira estudada, às vezes parecendo que falam sem pensar ou para ser engraçado, por ironia, ignorância, grosseria e infelicidade. Quem já esqueceu do "relaxa e goza" da ministra Marta Suplicy? E do comentário do ex-ministro Márcio Thomaz Bastos, sobre jogarem uma galinha na ministra, quando prefeita de São Paulo: ""Seria a mesma coisa que jogar um veado em direção a um homem"?

A resposta de Ciro Gomes para justificar o papel da sua mulher (Patrícia Pillar) na sua campanha presidencial: "ela dorme comigo". De Paulo Maluf: "se está com desejo sexual, estupra, mas não mata". Do então ministro do Fome Zero, José Graziano, sobre os nordestinos: "se eles continuarem vindo para cá, nós vamos ter de continuar andando de carro blindado".

"O apagão aéreo é sinal de prosperidade do povo", por Guido Mantega (ministro da Fazenda) e "as taxas de fertilidade de mães faveladas são uma fabrica de produzir marginal", pelo governador Sérgio Cabral (Rio de Janeiro). Enfim, há farto material no Brasil para produzir um dicionário de besteirol, que renderiam boas risadas, além de umas pitadas de história que faz bem para a educação.

Enquanto tento achar um tempo para organizar um livro desses, relembro uma expressão ouvida no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte: "Você não pode dar a palavra para determinados políticos, porque eles não devolvem mais!". Então, só me resta chamar o Rei !

Compartilhe

11 comentários em “Só um rei para mandar calar a boca ?”

  1. Cleber Mata

    Raul. Belo retrospecto das trapalhadas. Penso que você se privou de comentar as pérolas do presidente, até mesmo porque não haveria espaço. Forte abraço!

  2. oi Raul! ta rindo da desgraça dos vizinhos? e aquela do fenomeno?eu jogo e ele bebe?rsrsrs

  3. Ricardo Muza

    Raul,
    De Ideli Salvatti a Lula, passando por Stédile e Greenhalgh, fora o resto, não haveria corda vocal que resistisse a tantos ?Por qué no te callas?
    Abs!

  4. Caro amigo Raul

    Perdoname mucho, pero El Rei (rey) de España no puede contestar un Dictador, totalitario, déspota, tirano, autócrata, mandón asi como Hugo Chavez, Sin embargo, Don Juan Carlos fué un producto de la fuerza bruta de la Legino extangera,dictatorial del “Generalissimo Francisco Franco por la graça de Dios” rsssss La moneda terrible de muchas afliciones de la gente bueña d’España. No si puede jamas hablar asi…y nosotros no olvidamos lo que passsó tambien en Brasil, por la Graça de lo mismo Dios…kkkkEl Diñero y lucro capitalismo, tradicion, propriedad etc…
    “ad nausea”. *Yo no creo tampoco en brujas, pero las hay…hay…(“Cervantes”) kkk

    Concordo contigo também, pelos escrorregões e atos falhos da nova elite que chegou paratodos kkkkk…para todos da tchurma deles, né?
    Um abração, bons feriados, descansar é preciso mano Raul.
    Ivan Alvim

  5. Miranda Peres

    Amigo Raul
    Quero contribuir com uma pérola do presidente Lula, recentemente publicada na Veja “você cava um buracoe coloca os canos…é assim que se faz o saneamento”
    Que venha o Rei!
    Com relação as bruxas, amigo Ivan, cada vez tenho mais certeza de sua existência.
    abraços

  6. Raul, nem parece que amanhã dia 15 de novembro nossa jovem Republica faz 118 anos.O que vemos é uma babação de ovo em cima do novo herói da midia o Rei Dom Carlos,Rei por graça do Generalissino Franco, facista que esmagou com muito sangue a República espanhola e restaurou a monarquia.
    É sintomático que a revista Veja no aniversário da Proclamação da Republica em reportagem de capa preste homenagem ao Imperador D.PedroII. Parece que nossa elite e seus seguidores estão com saudades da monarquia, querem reeditar uma especie de Lei Saraiva afastando de maneira bastante segura o povo pobre das urnas no Brasil e no Subcontinente da America do Sul, acabando com o risco de serem eleitos mais “Lulas”, “Hugos Chaves” ou outros “Evos Morales”.
    “Apartir daí na companhia de uma certa socialdemocracia, os liberais passam ao ataque contra a democracia. Para os liberais democracia com protagonismo pobre, índio ou preto não é democracia, é populismo. A não ser naturalmente que sejam pretos, índio e pobres – como se diz mesmo? – de alma branca. Ou é isso ou eles correm e chamam o Rei” (O elástico. E a socialdemocracia de alma branca – 11/11 – http://www.blogdoalon.com.br).
    Saudações democráticas. Viva a República!

  7. Raul: estamos voltando ao tempo do Stanislaw Ponte Preta eo seu “Febeapá – Festival de Besteiras que assola o país”. Agora, o nosso Presidente defende Chavez…
    Realmente, o Sérgio Porto estava certo e se vivo estivesse teria material para novos livros. Aliás, imaginamos que o Chavez possa ser o “Cérebro” (do desenho) com o desejo de “amanhã conquistar o mundo…”, enquanto o Lula se assemelha ao assistente do cérebro. Um bom chargista aproveitaria essas semelhanças. abrços

  8. …É lamentável que a nossa mídia escrava da elite que domina este pobre País ( na verdade a mídia pertence a meia dúzia de famílias que evidentemente defendem a manutenção do poder pelas elites de sempre, até pq. fazem parte desta elite…)venha a defender um rei que ataca um presidente eleito pelo povo de fato, que através de sucessivas eleições, vem fazendo mudanças significativas na Venezuela. É estranho que se critique por exemplo, a cassação da concessão de uma rede de tevê que participou ativamente do golpe da elite venezuelana contra Chávez em 2002. A Globo fez uma edição do debate entre Lula e Collor em 1989, interferindo substancialmente no pleito daquele ano, e todo mundo, nosssos “democratas”, incluindo os tucanos, acharam muito normal isso. Claro! Lula iria mexer na poupança, estatizar tudo, não é mesmo??? O irônico da coisa é que foi justamente o Collor quem mexeu na poupança do povo, já que a elite conseguiu tirar seu rico dinherinho das aplicações financeiras. Agora aplaudem o rei Juan Carlos, representante da monarquia espanhola, monarquia esta que apoiou o Generalíssimo Franco, como bem lembrou nosso amigo Betão. Desculpe, Raul, Mas Juan Carlos foi extremamente grosso com um dirigente legitimamente eleito pelo povo. Chávez deu outra cara ao País vizinho cuja riqueza que vem do petróleo só beneficiava a parcela dirigente da Venezuela. Hoje lá não tem mais analfabeto, há assistência médica ao povo pobre e repito, tudo que ele faz e fez foi através de consultas populares onde observadores estrangeiros, incluindo o ex presidente americano, Jimmy Carter, nada encontraram de errado nos pleitos. Mas muitos brasileiros, talvez ainda com pensamento de colônia, aplaudem qdo. um governante americano ou europeu diminui e ofende um dirigente latino-americano. Ah, só lembrando como bem fez o Lula, que Margareth Thatcher, primeira ministra britânica, ficou no poder por onze anos, de 1979 a 1990. É isso! Abs.

  9. …PS: Só haverá democracia no Brasil quando houver forte participação popular nas decisões do País, como privatizações, por exemplo, quando o poder financeiro não mais determinar que políticos fiquem 30 anos no poder, ganhando sucessivas eleições porque têm dinheiro para investir em campanhas eleitorais via mídia, etc. Até lá não dá p/ chamar isso aqui de democracia. Eleições são apenas uma das qualidades da democracia. Se elas elegem só quem tem dinheiro p/ investir nas suas candidaturas, não é uma democracia de fato. Viva a República! Viva a Democracia com forte participação popular!!! Abs.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *