Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Blog do Raul

Nova abertura dos Portos.

Porto de Santos. Porta para globalização.

Acredito que muitos não leram a notícia de que o Porto de Santos, o maior da América Latina, perderá movimentação de grãos produzidos pelo Norte do país, porque grandes investimentos públicos e privados nos portos de Santarém e Belém (PA) e Itaqui (MA) podem contribuir para isso nas safras de milho e soja de 2012 e 2013, principalmente. Daí por diante não significa que Santos perderá a sua importância estratégica para a economia nacional. Outros produtos de exportação, por essa via, vão exigir investimentos significativos em modernização nas suas operações, em lugar da espetacularização permanente do atual governo federal lulodilmapetista.

Toda perda é lamentada, mas qual a justificativa de um País com as dimensões continentais do Brasil, para viver esse atraso econômico com os custos na competitividade do mercado do agronegócio? A resposta está na ponta da língua: falta de planejamento para desafogar as demandas e incapacidade de cumprir o que embalou publicitariamente com a marca de um Programa de Aceleração do Crescimento – PAC, muito aquém das anunciadas execuções de obras de infraestrutura.

São Paulo perderá em parte com a redução dessas movimentações portuárias em Santos, de um tipo de comoditie que serve para exigir a contínua manutenção das estradas que cortam o Estado, mas é óbvio que o Brasil poderia ter acelerado essa alternativa de investir no Norte, quando a região se tornou uma zona produtora e deparou com a ausência de infraestrutura de transporte. O quê acontece com países “distraídos” com os movimentos econômicos? Desenvolvimento desigual, desperdício e fracasso.O desenvolvimento tupiniquim vive à base do improviso. E de pensar que a abertura dos Portos às Nações Amigas foi assinada pelo então príncipe regente dom João VI em 1808, representando o primeiro passo do Brasil rumo à globalização. Não radicalizarei a ponto de dizer que desde então pouco se fez, mas posso afirmar que o momento econômico seria melhor capitalizado se os investimentos acontecessem no ritmo da evolução do nosso país.

Lendo a matéria, deste domingo (16) no jornal “Folha de São Paulo”, com o título “Saída pelo Norte vira nova opção ao porto de Santos”, é impossível não reconhecer o atraso da visão nacional para a solução dos problemas e alternativas econômicas. Recentemente, o ex-governador José Serra escreveu que, “no que diz respeito aos interesses do país, o problema principal é a incapacidade do governo federal de fazer as coisas direito e com rapidez em qualquer modelo”. No ritmo atual é possível que os portos do Norte não estejam devidamente preparados para as safras cotejadas.

A falta de infraestrutura é a responsável pelo custo de transporte do Brasil entre a lavoura e o porto, considerado um dos mais altos do mundo, sem falar na ineficiência. Com essa nova direção de projetos do chamado “arco Norte”, que prevêem a criação de corredores de exportação, construção e ampliação de terminais portuários, os custos logísticos do pais logo se aproximarão dos seus dois principais concorrentes, Argentina e EUA, em relação ao mercado europeu.

Concluo, convicto de que o Brasil precisa ter um governo que pense e execute políticas de crescimento econômico que beneficiem o país por inteiro, com maior pressa e precisão.

Compartilhe

2 comentários em “Nova abertura dos Portos.”

  1. Wagner Souza

    No caso do Porto de Santos é preciso haver uma sinergia maior entre o Governo Federal e o Governo Estadual, em especial na melhoria dos acessos ao Porto de Santos e a sua ligação com a Capital do Estado, onde é incompreensivel termos apenas a Via Anchieta, com suas sinuosas e arriscadas curvas, apresentam um grande risco aos que usam esta via, além disso a chegada ao Porto de Santos é caótica, com trevos mal planejados e vias que necessitam ser duplicadas urgentemente. Também é preciso maior incentivo ao modal hidroviario afim se reduzir o custo com a logística de transportes destas commodities.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *