Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Blog do Raul

Mais programas de aceleração da campanha ?

O balanço do PAC – Programa de Aceleração do Crescimento (sic) indica que das cerca de 12.500 obras anunciadas pelo atual governo federal, 1.530 foram concluídas. Pouco mais de 10%. Isso é uma demonstração de que falta gerência ao lulopetismo e essa é justamente a qualidade que os seus marqueteiros querem emplacar na candidata do PT, Dilma Rousseff. Mas como isso pode dar certo num país que têm urgências ante as perspectivas da exploração das descobertas de petróleo e gás no Pré-Sal, e dos bons sinais da economia brasileira para 2010 ?

Relembro que o governo Lula festejou nos últimos dias o registro de superávit primário recorde, ignorando o baixo desempenho do propagandeado PAC. Esse esforço forçado de economia de recursos para pagar os juros da dívida pública só tem sido possível graças às sobras de dinheiro em caixa, da ineficiência na execução dos investimentos em obras anunciados Brasil afora nos palanques da candidata do PT a presidência da República.

Como se pode ver, os resultados estão muito aquém das expectativas do país em melhorar a sua infra-estrutura para conviver com as próximas etapas desenvolvimentistas. O governador José Serra comentou recentemente a sua preocupação com o baixo valor atribuído à importância do planejamento, quando muitas cidades experimentaram e agonizam devido ao crescimento urbano desordenado. Ele se referia especificamente às perspectivas sonhadas pelas cidades que receberão dividendos das ditas descobertas no Pré-Sal, que carecem de se preparar para o que virá em decorrência disso.

Nesse cenário caberia ao PAC, que na verdade é uma apropriação do Programa Avança Brasil do governo FHC, oferecer suporte às necessidades de obras de infra-estrutura nos Estados e municípios, além da melhoria das condições dos portos, aeroportos, ferrovias e estradas federais. Mas o desempenho figura como mais um engodo nacional, quando é preciso ter ações concretas além da propaganda estatal.

O interessante dessa história é a sensibilidade política de Lula. Percebendo que o PAC não tem consequência após o lançamento de pedras fundamentais e que o discurso do governo social-eleitoral não cola sozinho, chega a notícia que o atual presidente da República marcou para a primeira quinzena de janeiro uma reunião com os ministros da área econômica para discutir “a ampliação de investimentos no país em 2010” e que entre os assuntos a serem debatidos está uma segunda edição do PAC ou PAC 2.

Ora, se a primeira edição ainda não aconteceu plenamente, como começar uma segunda no último ano do governo ? É de se concluir que essa reunião do lulopetismo não servirá para esclarecer a Nação sobre a estratégia de como e quando fazer acontecer, mas certamente funcionará como briefing para as agências de publicidade do governo federal executarem mais propaganda, que só podem ter caráter enganoso e de aceleração da campanha da candidata do PT.

Nada contra a propaganda, principalmente quando ela é fundamentada em realizações e melhorias de fato. Como disse o senador Arthur Virgílio, no caso do jeito do PT governar o PAC, mais gerência e menos propaganda faria bem ao Brasil.

Compartilhe

5 comentários em “Mais programas de aceleração da campanha ?”

  1. Ernesto Donizete da Silva

    PAC – PLANO DE ACELERAÇÃO DA CORRUPÇÃO, pois “nunca antes na história deste país” o Tribunal de Contas teve tanto trabalho devido as inúmeras irregularidades encontradas, nas poucas obras que chegaram a dar os primeiros passos.

    O PAC, com certeza tem seus méritos teóricos que somente poderão ser alvo de elogio se forem tirados do papel. Ao comentar o fato da CORRUPÇÃO é óbvio que “como de costume” no Brasil, a comissão por cada obra, o aditamento nos contratos, o superfaturamento, etc… são corriqueiros e culturais em muitos procedimentos políticos.

    O PAC surge como a maior bandeira da candidatura da Sra. Dilma à presidência do país e com certeza será tremendamente explorado neste sentido no curso do ano vindouro. Isto em conjunto com outros factóides e discursos falaciosos do PT, e em especial do Sr. Inácio.

    Por falar no Sr. Inácio, o povo sem ter uma noção ampla do “jogo político” o endeusa. Chega a parecer que o Brasil estava mergulhado num caos, e ele foi o redentor de todos os males – o que é FALSO. O nosso Brasil, vinha já em trajetória ascendente desde o PLANO REAL, que corrigiu as distorções econômicas e controlou a inflação, com uma brilhante atuação do Sr. Henrique Meirelles, que foi mantido no cargo pelo governo atual.

    “Nunca antes na história deste país”, vimos tantos desmandos, tantos fatos de improbidade, tantos escândalos envolvendo todas as esferas do poder, tantas fatos que acabaram em PIZZAS LULOPETISTAS em detrimento do povo. Os casos são inúmeros e foram amplamente divulgados pela imprensa.

    E em mais uma ação meramente demagógica, o Sr. Inácio, exarou ordem no sentido de que seja economizado o dinheiro do povo no ano de 2010. Hora, o caixa de campanha já está mais que feito e ao longo dos anos que ficou à frente do Governo Federal, nunca houve esta preocupação, será que a economia deve ser feita apenas no ano em que não poderá mais o Sr. Inácio ficar como governante desta Nação?

    2010. Será um ótimo ano para o Brasil. Principalmente pelo Sr. Inácio estar longe do poder.

    Acorda Povo Brasileiro!!!

    ERNESTO DONIZETE DA SILVA
    PSDB/SANTOS

    Obs.: Desejo a todos, que as bençãos do Criador recaiam em suas vidas e que o ano de 2010 seja repleto de muita Paz, Saúde, Amor e Realizações em todoas as áreas.

  2. Pensei muito antes de comentar. Me sinto cansada de presenciar, via mídia, os descalabros deste governo e não visualizar nenhuma atitude do Ministério Público. do poder judiciário e dos representantes do povo no Congresso.
    Se buscarmos a história deste país, maracutaias, uso do poder eram tb praticadas mas não em um nível tão elevado.
    Me parece que todos os poderes deste país estão comprometidos permitindo essa orgia com o dinheiro público

  3. …Caro Raul,

    A despeito de eventuais falhas do governo Lula, algo nada inédito aqui no Brasil e em muitos países, o seu governo tem tido sucesso em muitas áreas, sim. Não é a toa que o prestigiado e independente jornal francês, Le Monde ( algo raríssimo na nossa imprensa, infelizmente…), elegeu Lula como o Homem do Ano, algo que o primeiro-ministro espanhol, Zapateiro, já havia feito dias atrás. Vejo com muita tristeza os tucanos de alto escalão atacando ferozmente o governo Lula. Como já escrevi, Há falhas sim no atual governo, mas em qual deles não há/houve? Lembro de maio/2006 quando o PCC fechou São Paulo e FHC, Alkmin e Serra estavam nos Eua. Bato nesta tecla sempre por achar um absurdo isto ter ocorrido. Jamais esquecerei dos valores exorbitantes cobrados nos pedágios das estradas paulistas, onde surge um novo pedágio a cada semana, penalizando quem precisa viajar pelo interior paulista.
    Sobre planejamento urbano: aqui em Santos, o ex-prefeito Beto Mansur aprovou a lei permitindo que inúmeros prédios bem mais altos surgissem, inclusive mais para dentro da linha férrea, tornando a cidade mais quente, poluída, com excesso de automóveis que mais prédios de alto gabarito trouxe, etc. Sem contar o absurdo de tirar o cobrador dos coletivos, o que provoca acumulo de funções ao coitado do estressado motorista. Santos é uma das poucas cidades onde funciona coletivos sem cobrador, está certo isso? Aqui só se pensou nos lucros da única empresa detentora do transporte coletivo, cadê o planejamento?? O PSDB faz parte do atual governo, ainda não vi críticas à essa situação do transporte, por exemplo. Só lembrando que São Paulo tem linhas que percorrem bem mais quilômetros do que aqui, a passagem é mais barata e os veículos tem motorista e cobrador.
    Infelizmente há uma forma de se governar sem a participação popular, o que provoca os equívocos que citei, mais um monte deles. Há que se incentivar o surgimento de uma democracia participativa, colocando este modelo representativo no lixo que ele merece.

    Abraços e boa sorte em sua campanha. David.

  4. Luciano Araujo

    Raul, com um regramento democratico e um desenvolvimentista que atualmente alem de outras cousas baseia a economia interna conexa ao desenvolvimento capitalista ,seguindo a moeda externa dollar; a falta de politica planejativa longo prazo, por esta não apresentar midia colhedora e eletiva , o que esperar?
    O programa Minha Casa Minha Vida ,que não passou de um duto, alem de ecologicamente não possuir pé nem cabeça, não foi realizado como gestão e sim como oportunismo na briga de paternalização de necessidades e não como resultados expressos, visando no futuro batizar a criança. O crescimento desordenado passa pelos municipios , pelos gastos de materiais, pelas licenças em areas cada vez mais extensas e deixa a organização ao bel prazer do acaso, sem que estado e federação normatize o uso e ocupação do solo de acordo com o ajustamento, alem de separar classes e demais urbanos, deixando assim como vemos a logistica Brasileira.
    Se um debate que envolva a realidade nacional não tem interesse de ser exposto ao mundo em um momento como o midiatico vivido, o que os simples mortais podem fazer alem do caminhar ao juizo final?
    Precisamos de um pacto federativo, não de um pac.Lu.

  5. Castor Filho

    Prezado Raul
    Talvez o Presidente Lula não tenha correspondido à expectativa de 20% dos brasileiros, mas correspondeu a 80%, pelo menos. Segue pequena resenha feita por encomenda pelo jornalista Argemiro Ferreira, de algumas intervenções internacionais do nosso Presidente e do Chanceler Celso Amorim.
    Abraço
    Castor

    O ano do Brasil – e do presidente Lula
    O professor (da Universidade de Harvard) Kenneth Maxwell – britânico de nascimento, radicado há muitos anos nos EUA – explicou na véspera do Natal, em sua coluna da Folha de S.Paulo, que “os brasileiros deveriam comemorar o fato de que tenham avançado tanto e de que um futuro promissor esteja ao seu alcance”. Para ele, “o Brasil encerra a década bem posicionado para o futuro” (leia a íntegra em (1) – necessário senha).
    Brasilianista e autor de pesquisa que devassou a Inconfidência Mineira (A Devassa da Devassa), Maxwell (foto ao lado) também publicou outros trabalhos relevantes sobre Brasil e Portugal (entre eles, Marquês de Pombal, o paradoxo do Iluminismo). Antes expusera o papel de Henry Kissinger no golpe de 1973 no Chile – ousadia que o levaria ainda a deixar a revista Foreign Affairs e o Council on Foreign Relations (saiba mais em (2) e (3).
    Comprometido apenas com a seriedade do próprio trabalho, estava certo ainda ao contestar o medo das “reginasduartes” e o terrorismo desencadeado pelos tucanos na campanha eleitoral de 2002, o que reduziu o valor do real a 1/4 do dólar (leia o artigo dele em 2002 para o Financial Times) (4). Agora Maxwell vê o respaldo de 80% dos brasileiros ao seu presidente, encarado no mundo como exemplo a ser seguido – e Personalidade do Ano, como proclamou Le Monde no dia 24 (5)
    Retrato do império em decadência
    Na França da Sorbonne de FHC, coube a um blog do Libération, rival do Le Monde, contrastar a atuação positiva de Lula na reunião de Copenhague com a queda de Obama: “Os discursos de Obama e Lula foram mais do que discursos sobre os grandes desafios que nossos líderes deveriam discutir em Copenhague. Para mim, marcaram a longa e tortuosa história do declínio do império americano” – conheça a íntegra em (6).
    Anabella Rosemberg, que assinou dia 18 o texto sob o título (misturando inglês e português) “Exit USA, boa tarde Brasil!”, definiu o quadro geral da degringolada das negociações do clima, “com a demissão de uma superpotência (EUA) e a chegada com brio de uma nação (o Brasil) que há algum tempo esperava, com paciência, para dar os primeiros passos”.
    A recusa em negociar, para ela, é o primeiro sinal de fraqueza dos poderosos. “Nas três propostas que colocou na mesa, Obama não mostrou flexibilidade. Teve ainda o cuidado de não assumir a responsabilidade dos EUA pelo acúmulo de emissões de gás de efeito estufa. Da parte de Lula tudo era liderança, vontade, ambição. Claro que não é perfeito. A questão não é essa. Mas mostrou aos olhos do mundo que seu país está preparado para jogar no primeiro time”.
    Ainda na Europa, o maior jornal da Espanha, El País, já tinha considerado Lula, no dia 10, o personagem do ano de 2009, entre “Los Cien del Año”, os 100 homens e mulheres iberoamericanos que marcaram os últimos 12 meses. Coube ao próprio presidente do governo espanhol, José Luiz Rodrigues Zapatero, fazer o perfil do governante brasileiro, sob a manchete “El hombre que asombra el mundo”(7).
    O entusiasmo do conservador Chirac
    Disse o espanhol sentir “profunda admiração” por esse homem que conheceu em setembro de 2004, na cúpula – organizada pela ONU em Nova York – da Aliança Contra a Fome, liderada pelo brasileiro. Como correspondente para a Tribuna da Imprensa, Globo News, Rádio França Internacional e Jornal de Notícias (de Portugal), tive o privilégio de cobrir aquele evento, presidido pelo francês Jacques Chirac.
    A Assembléia Geral da ONU começaria dois dias depois, mas governantes do mundo inteiro anteciparam a chegada a Nova York por causa da reunião de Lula. O maior entusiasta da cúpula era Chirac, que também declarou admiração pelo brasileiro. Ele viajaria de volta à França ao final daquela reunião, deixando para o chanceler a missão de discursar pelo país na Assembléia Geral.
    O esforço incansável da grande mídia brasileira para esconder, tentar esvaziar ou desmerecer o reconhecimento mundial pouco afeta a imagem de Lula, dada a frequência com que governantes, personalidades e veículos de mídia de vários países se pronunciam de forma positiva sobre ele. Nos EUA o próprio Obama manifestou explicitamente sua opinião, ao saudá-lo como “o cara”, o “político mais popular do mundo” (8).
    Por conduzir no Itamaraty a política externa brasileira, Celso Amorim tem sido alvo obsessivo do bombardeio de nossa mídia. Na ofensiva foi denunciado pelo papel antigolpista do Brasil em Honduras. Mas é encarado com grande respeito no exterior. David Rothkopf – da revista Foreign Policy, conservadora nas posições sobre América Latina – apontou-o como “o melhor ministro do Exterior do mundo” (9) (leia e veja a foto que ilustrou o artigo).
    Quem afinal ficou bem na foto?
    Para desespero de nossa mídia as avaliações de Lula estão em toda parte – e nada têm a ver com o que ela própria e a oposição alegam nos ataques ao governo. É possível encontrá-las em diferentes línguas. Na maior revista alemã, Der Spiegel (10), em Newsweek (11) e (12), no Washington Post (13, New York Times (14), etc. Não é um amontoado de elogios vazios. Referem-se também a dificuldades e obstáculos a superar. Mas o tom é sempre positivo, sem as leviandades e irrelevâncias que inspiram a ofensiva destemperada daqui.
    Dificilmente poderia ter havido ano mais auspicioso para o Brasil. Isso ficou claro ainda nos momentos finais da conferência de Copenhague. Obama chegou atrasado, perdeu o bonde da História e, esnobado pelo presidente chinês Wen Jiabao (que se fez representar por gente de escalão inferior em reuniões de que Obama participava) invadiu como um penetra a sala onde se reuniam Brasil, África do Sul, Índia e China (o grupo BASIC).
    Foto e relato do New York Times (15), seguidos depois por texto também destacado no Washington Post (16), retrataram o quadro insólito. Obama entrou sem ser convidado. Lá estavam Wen, Lula e os governantes indiano e sul-africano: “Vou sentar ao lado do meu amigo presidente Lula”, disse. Ali remendou num par de horas o acordo de três páginas que evitou o fracasso sem ir além de uma esperança vaga no futuro.
    Para variar Lula ficou bem na foto – literal e simbolicamente. À direita de Obama, a quem socorrera, e com a ministra Dilma Roussef (à esquerda de Hillary Clinton). Essa imagem final do ano (veja a foto do alto, sob o título do post) refletiu o papel do Brasil e seu presidente. Mais uma vez contrariou a obsessão da mídia golpista aliada à oposição idem (PSDB-DEM-PPS). Por 12 meses mídia e oposição tentaram semear o pânico e afogar o país no tsunami da crise mundial – da qual o Brasil foi o primeiro a sair.
    (1)http://go2.wordpress.com/?id=725X1342&site=argemiroferreira.wordpress.com&url=http%3A%2F%2Fwww1.folha.uol.com.br%2Ffsp%2Fopiniao%2Ffz2412200906.htm
    (2) http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=280MON001
    (3) http://www.drclas.harvard.edu/files/maxwell_working_paper_0.pdf
    (4) http://archives.econ.utah.edu/archives/a-list/2002w39/msg00124.htm
    (5)http://www.lemonde.fr/opinions/article/2009/12/24/lula-l-homme-de-l-annee-2009-par-eric-fottorino_1284552_3232.html
    (6) http://copenhague.blogs.liberation.fr/climat/2009/12/exit-us-boa-tarde-brasil.html
    (7) http://www.elpais.com/articulo/internacional/hombre/asombra/mundo/elpepuint/20091211elpepuint_1/Tes
    (8) http://argemiroferreira.wordpress.com/2009/04/26/lula-obama-segundo-moniz-bandeira/
    (9) http://rothkopf.foreignpolicy.com/posts/2009/10/07/the_world_s_best_foreign_minister
    (10) http://www.spiegel.de/international/world/0,1518,662917,00.html
    (11) http://www.newsweek.com/id/224678
    (12) http://2010.newsweek.com/top-10/world-predictions/brazil-is-the-new-china.html
    (13) http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2009/12/13/AR2009121302447.html
    (14) http://www.nytimes.com/aponline/2009/12/21/world/AP-LT-Climate-Brazil-Silva.html
    (15) http://www.nytimes.com/2009/12/19/science/earth/19climate.html
    (16) http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2009/12/19/AR2009121901871.html

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *