Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Blog do Raul

Não basta amar, diga “eu te amo” …

Simone de Beauvoir, foto de Art Shay, Chicago, 1952.

Vou compartilhar com os meus leitores uma boa sensação deste Carnaval. Vale a pena deixar cair a ficha que política, economia, crises e outras coisas do dia a dia representam menos, quando comparados com o amor. Juro que não se trata de uma recaída poética e muito menos de novas sensações por causa de um amor novo. São os velhos sentidos que floresceram ao caminhar à beira mar e ao folhear uma matéria comportamental numa revista de julho de 2003.

Isto não é um roteiro de filme, mas a reedição de reflexões presentes e que geram sempre saudade. O título deste post é o mesmo da revista: “Não basta amar, tem que dizer ‘eu te amo’ – reflexões sábias de uma cronista de relacionamentos”, hum… bom para hoje e para sempre, hein !?

Tenho muitas histórias dos carnavais da minha vida. Nas primeiras fases dela, diga-se de passagem. Adolescência, juventude. Depois só alegria de aproveitar o tempo para descansar e refletir sobre o ano que está prestes a começar. Todo mundo diz que no Brasil o ano começa depois do Carnaval. Aceito parcialmente essa idéia, porque sou um pouco workaholic e não vejo intervalos na minha rotina de trabalho. Mas hoje à tarde sucumbi à leitura e ao mergulho natural no meu passado de escrever que minhas emoções seriam para sempre, que existiriam eternamente em mim, com mulher, filhos, família.

A revista feminina, para esclarecer mais, trazia a opinião da cronista e escritora Martha Medeiros, com olhar dirigido para uma expectativa de mulher, quando a meu ver caberia integralmente também para as ansiedades masculinas. No seu lead ela diz que “por mais certeza que uma mulher tenha do amor de um homem, ela quer, precisa, sonhar ouvir as três palavrinhas mágicas: eu te amo. Será difícil para nós compreender a importância dessa expressão ? Não acho.

Amar é renascer. Faz bem renascer com o nosso próprio biotipo, mais maduro e até senhor do mundo que nos envolve. Ninguém se arrisca antes de elaborar cenários que valem mais para a economia e a política. O planejamento amoroso pode intuir a um casamento, mas a racionalidade põe tudo a perder. Desse modo, quando há um clima de amor no ar, justamente nesse período do reinado de Momo, vale soprar as idéias e sentidos ao vento. Ninguém fará você refém do sentimento que não foi despertado em você, além daquele que nunca abandonou você, principalmente nos momentos mais decisivos.

Nem todo mundo gosta de Carnaval. Mas todos têm uma história passada nessa época, no Rio, em São Paulo, no nordeste, na praia, no Interior, no Exterior. Não sei se a experiência pessoal ainda proporciona lembrança de “beijar-te agora, não me leve a mal, hoje é Carnaval !” Faz bem reviver na memória os amores que atravessam gerações e ainda simbolizam tanto, porque além do beijo houve um sentido e sonoro amo você, mesmo que se descobrisse apenas sonhando na janela de um trem !

Já disse as três palavrinhas mágicas hoje ? A foto que ilustra este post, de Simone de Beauvoir, é inspiradora.

Compartilhe

20 comentários em “Não basta amar, diga “eu te amo” …”

  1. Meu AMIGO Raul,
    Lava-me a alma o encanto de teu texto.
    Sinal de que não perdestes a ternura.
    Um beijo na alma e outro no coração,
    Ivete

  2. Délia Guelman

    Raul querido,
    Lindo teu comentário sobre o artigo da Martha Medeiros. É isso mesmo: cultivar a relação com pequenos gestos, dizendo o que, muitas vezes nos parece óbvio, que é o “eu te amo”.
    Veja esta frase do Nietzche, sobre o amor, que acho perfeita: “Sempre há um pouco de loucura no amor; porém sempre há um pouco de razão na loucura.”
    Beijocas,
    Dedé

  3. Vera Souza Dantas

    Raulzito, hoje vc vai estourar a banca! As mulheres, especialmente, vão apostar tudo em você. Porque a verdade é esta… o “eu te amo” anda escasso, caiu em desuso, não apenas entre parceiros amorosos, mas entre pais e filhos, entre irmãos, entre aqueles que de verdade experimentam o sentimento, mas ou por vergonha ou por medo (de se tornar refém, como vc bem diz) calam essa música simples e restauradora. Tomara que todos os seus leitores, homens e mulheres, ponham o bloco do EU TE AMO na rua. Todos os dias!

  4. Oi Raul
    Confuden-se seriedade com almas secas.
    Como sempre você é incrível e surpreendente.
    Desnuda esta imagem ao falar com uma simplicidade tocante nas trêss palavras mágicas “Eu te amo” Não baste sentir, o outro tem que ouvir.
    Parabens
    Beijos
    Letice

  5. Gostei muito do seu texto e li com sabor de ‘ primeiro beijo’ (não me leve a mal).
    Concordo com o comentário da Vera, as mulheres apostariam tudo em vc hj…Melhor para as que já te conhecem e sabem do qto é brilhante registrando sentimentos, poesias e política.
    Parabéns amigo Raul
    Bj

  6. A essencia precisa estar presente

    Como a raiz do relacionamento, precisa ser fortificada sempre

    Como amor que dura a vida inteira, formada por base sólida

  7. Artur Domingues Pinto Filho

    Sim. Sim. Sim. Um costume que deveria renascer em todos. Em atos e palavras. Um post muito feliz e terno. Obrigado pela reflexão que me proporcionou.

  8. Samuel Frollini Zabotto

    Eeeeeesse é o Raul do meu coração! Depois de um bacalhau maravilhoso, regado à um Cartuxa, depois degustado de “puro” Vega Robaina cubano, ler esse artigo, me fez feliz , mesmo que não nos encontramos nessa semana! bjo irmão, a visão é essa messsssssss…..

  9. fausto ivan

    Irmão, seu texto me lembra “Hay que endurecer-se pero sin perder la ternura jamas”. É a busca do equilíbrio entre a liça política que tanto desgasta e o espírito humanista e poético aflorado. Mas lembra também suas primeiras incursões como poeta “ainda atinjo a maturidade antes do juízo final”. Valeu.

  10. Paula Fontenelle

    Meu bien,
    Eis uma grande fonte de conflitos entre nós e os homens. Eles acham que alguns gestos servem como calorosas declarações de amor, mas para a mulher – mesmo com a troca de papéis provocada pelos tempos modernos – essas três palavras materializam o afeto…
    O pior é que vejo muitas de nós deixando de dizer ‘eu te amo’ aos companheiros… o tema merece profunda reflexão, pois cria um círculo virtuoso que nos afasta um dos outros.
    E você está certo, o amor está acima de todo o resto. Amar, sempre.

  11. Mauro Haddad

    Imortal Raul,
    desde que li dia desses (não lembro se na Folha ou no estadão) o Sergio Guerra dizendo que o PSDB tem que aprender a fazer oposição, estava pensando no que ia escrever no seu “próximo post”.
    Porém, como diriam os malandros do marapé, vc quebrou minhas pernas.
    então corri p a estante, puxei um livro cujo a capa é um poeta barbudinha andando de bicicleta na praia. abro na página 28. nada mais apropriado:

    FO(L)I(A) NO CARNAVAL
    Passei tantos carnavais
    dançando sem você,
    Colombina!
    hoje, justamentehoje,
    quarta-feira,
    quando tiro a máscara da face
    surge você sorrindo pra mim
    e cantarolando
    as marchas alegres
    que carreguei pelo salão
    sozinho, carente e triste…

    é isso ai Raul, viva os poetas…

  12. Maria Elisabeth

    Olá, Raul

    Muito bom ter colocado este assunto em pauta no blog. porque , segundo dizem o “obvio também precisa ser reafirmado” para se tornar hábito e ao dizer “eu te amo”, quem pronuncia , muitas vezes não sabe a situação de conforto, alegria, segurança, reafirmação da presença,carinho, colo, aceitação de quem ouve. É quase um pedacinho de paz que cai no coração devagarinho e deixa uma sensação de ternura tão boa, que dura o tempo da lembrança…
    A ação do amor (substantivo) é AMAR, o verbo e verbo encerra sempre uma ação….por que não falar então….???

    Abraços da amiga
    Beth

  13. Jorge Stark

    Alô alô galera do GRECESRC, o Grêmio Recreativo Esportivo e Cultural Escola de…Sensibilidade Raul Christiano, fãs com ou sem carteirinha, apaixonados de plantão e que-tais: mesmo que não seja uma recaída poética, foi.

    Alô alô, Raul. Que homenagem ao coração. Da Mocidade? Pode ser. Se foi, profético. “O poeta é um profeta…”

    E Raul é poeta até quando lê revista feminina amarelada pelos carnavais que passam…

  14. Silvana Cuculo Diz

    Raul,
    você continua o mesmo de sempre, vive por amor, ama para viver. É um eterno apaixonado pelas coisas da vida…é prazeiroso ler seus textos.

  15. Maisa Costa

    Querido Raul,

    Simples como amar é dizer “eu te amo” com os olhos… Eles são a janela da alma… Um “eu te amo” dito reciprocamente e implicitamente através de olhares que se cruzam é um dos mais lindos “eu te amo” e lembre-se de ser realmente sincero… Porque mais importante do que um amor de filme, é aquele construído no dia a dia, na rotina de um mundo tão complicado.

  16. Valéria Couto

    A vida não é medida pela quantidade de vezes que respiramos, mas pelos momentos que nos tiram a respiração.

    ‘ Não me ame pela beleza, pois um dia ela se acaba.
    Não me ame por admiração, pois um dia você se decepciona.
    Ame apenas…
    Pois o tempo nunca pode acabar um Amor sem explicação!’
    (Madre Tereza de Calcutá.)
    Parabéns pelo texto, um beijao
    Valéria (vizinha da Evaristo da Veiga…rsrsrsr)

  17. Raul, voce é um dos que não acredita na extrofe de mau gosto, que alguns dizem e acredito que já tenha ouvido.
    “O amor é como uma flôr rôxa, que nasce no coração dos trouxas”
    Portanto concordo com suas palavras, pois, quem nunca amou ou nunca foi amado, não conheceu o prazer de ouvir um Eu Te Amo, e muito menos de dizer para a pessoa amada: Eu Te Amo.
    Em 2010, Raul nas cabeças!

  18. Marcelo Lazarini

    É muito ruim a sensação de dizer e receber, como reação, um sorriso amarelo.
    Não sei mais o que fazer para parar de ser agredido com palavras duras quando tento dizer a quem amo, que, deprimido como estou, só preciso ouvir que ela me ama… essa noite pensei em me matar, só para que ela penssasse: – Ele estava falando sério, ele precisava mesmo.
    Mas sabe por que não me mato? Por que ela diria que eu estava mesmo deprimido, por isso me matei, e que tão doente era minha realidade, que eu não mudava o disco, insistia na besteira de querer ouvir um “eu te amo” que nunca foi dito!
    Deus, se o Sr. também está lendo isso, tire de mim esse sentimento…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *