Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Blog do Raul

O preço dos Jogos no Rio !

Cobrar a transparência dos investimentos previstos para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, não é um argumento para diminuir o papel do Brasil, como disse o presidente Lula. Muito menos uma reação dos opositores ao sucesso dessa conquista histórica, que pertence a todos nós. Lula e o PT, que sempre foram acostumados a vaiar até o hino nacional em solenidades de governos que não faziam parte, chegam a pensar que somos iguais a eles e que num momento como esse nos consumiríamos como "invejosos" e "apostadores do quanto pior melhor".

Da mesma forma que o Brasil foi espetacular na apresentação técnica da candidatura do Rio e que o presidente Lula foi impecável em sua defesa treinada e contida, chegou a hora do país também oferecer um exemplo educativo desde o início dos trabalhos necessários para que a Cidade Maravilhosa esteja pronta para sediar os Jogos, sem a mínima suspeita de corrupção.

O governador José Serra escreveu que a tarefa não será trivial: "Exigirá formar um comitê organizador ampliado e de grande competência e recorrer ao que existe de melhor em matéria de planejamento urbano, no Brasil e no mundo. Fazer projetos sensatos, longe da megalomania, do desperdício e dos sobrepreços." E em relação aos recursos, que o governo Lula está "garantindo" que não faltarão para as Olimpíadas, Serra sugere a formação de um fundo baseado em nossas exportações de petróleo, em especial do pré-sal, se até lá já for extraído: "Esse fundo temporário seria constituído em moeda estrangeira, para financiar despesas realizadas nessa moeda. É uma idéia a ser discutida para além de interesses partidários, eleitorais ou regionalistas".

Muitos analistas comentaram que os Jogos Olímpicos são um compromisso internacional irrevogável. A partir de agora os esforços para que dêem certo não pertencem unicamente ao Rio de Janeiro, porque esse evento mobilizará o Brasil inteiro na formação de novos atletas, para torná-lo competitivo e, quem sabe, num horizonte de 10 anos, transformá-lo numa verdadeira potência olímpica. Jamais podemos esquecer que o esporte é também um dos fatores essenciais para a inclusão social e manutenção de crianças e adolescentes nas escolas.

Esse processo, a meu ver, deve multiplicar os esforços pela educação, pois quase a totalidade dos novos atletas sairá das escolas brasileiras. Mais do que nunca, as escolas vão precisar de motivação e apoio dos governos em todas as esferas e Estados, para formar uma grande rede pelo esporte e com solidariedade. Aliás, esse objetivo reforça a necessidade de emprestarmos aquele mesmo conceito mobilizador de Obama nas eleições americanas: "Sim, nós podemos!"

Num momento como esse é importante refletir sobre a descontinuidade de políticas públicas bem sucedidas, como o Programa Esporte Solidário, criado durante o governo FHC. Naquela ocasião, o presidente da República determinou o cumprimento do artigo 217 da Constituição Federal, que dispõe o dever do Estado fomentar práticas desportivas formais e não formais, como direito de cada um. Assim, país afora, o ministério dos Esportes passou a executar ações para melhorar a infra-estrutura e os equipamentos para a prática esportiva, incentivando a construção de ginásios e quadras poliesportivas em áreas carentes, bem como nas escolas públicas em parceria com o MEC – Ministério da Educação.

Por isso reafirmo que as Olimpíadas no Rio demandas ações em todo o território nacional, não se restringindo à infra-estrutura da própria Cidade-Sede dos jogos. Mas não vamos deixar que esse acontecimento, nunca antes realizado na história da América do Sul, se apequene como na exposta incompetência do atual governo em executar o seu PAC – Programa de Aceleração do Crescimento, de obras, com tantos contratos e execuções irregulares, segundo relatórios do TCU – Tribunal de Contas da União, que já desaprovou condutas à época dos Jogos Panamericanos.

Sim, nós podemos preservar a imagem do país, planejando todas as etapas executivas para as Olimpíadas, para evitar aditamentos de contratos, revisões orçamentárias, verbas extraordinárias e emergenciais, superfaturamentos, desperdícios, furtos, corrupção. A felicidade geral da Nação tem um preço que não se paga assim !

Compartilhe

10 comentários em “O preço dos Jogos no Rio !”

  1. uriel villas boas

    A definição do Rio de Janeiro como sede dos jogos olímpicos é um fato especial. E preocupante. Num primeiro momento é a euforia, é uma vitória contra paises de primeiro mundo. E aponta para um mapa muito grande de questões a serem encaminhadas. E todas precisam levar em conta o aspecto primordial, ou seja, o planejamento. Em todas as áreas e anão apenas em termos de estádios, hoteis, transporte para turistas e segurança pública no Rio de Janeiro. Temos a grande chance de incentivar a prática esportiva como ponto inicial para milhões de jovens que podem antever um futuro diferente. E nãol apenas em termos de algumas atividades como no caso do futebol, volei ou basquete. Citando o exemplo, a Baixada Santista não conta com uma dupla sequer de jogadores de voley de praia. Por que? E equipes dessa modalidade, na parte masculina e feminina. que não disputam espaços nos campeonatos nacionais? Nem é preciso citar as demais modalidades dos jogos olimpicos. E é um exemplo que pode ser espalhado por todo o Brasil. E não podemos perder tempo. O trabalho tem de ser de imediato.

  2. alvaro g, alvarez

    Slogan da Olímpiada no Rio de Janeiro.

    ” RIO 2016 TIROS POR MINUTO “

  3. Alberto - RJ

    Como ficar contente com essa escolha se vemos um projeto sem o menor sentido, feito de afogadilho e levado com pressa pelo governo federal, que é o tal trem bala, sob a desculpa da copa 2014?

    Esse projeto é uma vergonha nacional no desperdício de dinheiro público. É coisa de 30 bilhões para construir um trem que só transportará passageiros – carga nem pensar – e que agraciará um naco de logística que não sofre hoje nenhum gargalo.

    Quem está incomodado com os atuais meios de ir de SP ao Rio e vice-versa? É mais precária essa ligação do que o caótico transporte público carioca? Tem mais gente nas filas de check-in em congonhas/Cumbica – Galeão/Sto Dumont que nas filas dos hospitais públicos?

    30 bilhões sairão dos cofres públicos para construir um projeto megalomaníaco cuja passagem custará o mesmo que se cobra na ponte aérea. E os gargalos de logística de carga (portos-rodovias-estradas de ferro tradicionais) entregue as traças.

    Alguém tem percorrido a BR116 na região nordeste e constatado o descalabro que é aquilo? Ou as estradas federais pelo Brasil afora? E querem por que querem um trem de passageiros de 30 bilhões de reais.

    E ninguém abre a boca contra…

  4. Raul, 2016(Olimpíadas), 2014(Copa do Mundo) são apenas cerejas a decorar as conquistas do Brasil e dos trabalhadores da cidade e do campo propocionado pelo Governo Lula e o prenúncio que os bons ventos continuarão a soprar em 2010.
    Abraço

  5. PAULO MATOS

    ESSAS FAVELAS FORAM CONSTRUÍDAS POR QUEM NÃO ACREDITAVA NO BRASIL E ACHAVA QUE NÃO CABIAMOS NO MUNDO. AGORA, É NÃO TERGIVERSAR E APOSTAR EM COISAS SÉRIAS, COMO AS QUE CONQUISTAMOS. REMOER O PASSADO É MAU NEGÓCIO.

    FAVELA, CANUDOS E EUCLIDES

    Paulo Matos

    “Tivesse a favela outro nome seria outra sua miséria?” Parafraseando Shakespeare ou quase, a respeito das sempre comentadas favelas cariocas: na falta de soluções para elas e com 100% das atenções voltadas para as olimpíadas, acredito que a antiga solução do muro alto será adotada – para escondê-las dos visitantes, enquanto construímos estádios. Alias, o evento da passagem deste 5 de outubro nos remete as favelas e a um massacre histórico nesta data – do qual decorreram. Escreveu sobre o episódio Euclides da Cunha, do qual vivemos o centenário da morte aos 43 anos.

    Nada complexo: o massacre ocorrido foi o do Arraial de Canudos, em cinco de outubro de 1897, há 112 anos – ocupado a cinco de julho de 1893 por uma dezena de pessoas. Era o Belo monte do líder de massas Antonio Conselheiro em 1897 – que de louco não tinha nada. Favela era o nome do morro que cercava a Fazenda Velha onde se instalou e cresceu Canudos, a estas alturas rica e auto-suficiente, esmagada pelo Exército com canhões Krupp quando tinha 30 mil pessoas. As tropas paulistas, parte dos 11 estados, passaram por Santos e foram homenageadas com jantar no Carioca.

    Os índios, sertanejos e ex-escravos que fugiram foram para o RJ. E ao verem as casinholas nos morros disseram que “parecia o morro da favela”. É isso. Que nossos títulos em 2016 sejam na saúde, educação, alimentação, moradia e transporte e, até, no esporte.

    Paulo Matos
    Jornalista, Historiador pós-graduado e Bacharel em Direito
    E-mail: [email protected]
    Blog: http://jornalsantoshistoriapaulomatos.blogspot.com
    Orkut: http://www.orkut.com.br/Main#Profile.aspx?rl=ls&uid=3193061565782244472
    Twitter: http://twitter.com/jorpaulomatos
    Fone 13-38771292 – 97014788

  6. Caro Raul,

    O que temíamos ( e tememos…), é o gasto excessivo que poderá acontecer p/ adequar as nossas praças esportivas p/ os dois grandes eventos mundiais na área, Copa do Mundo e Olimpíadas no Rio. Bem, este temor todo o cidadão brasileiro deve ter, seja lá qual partido esteja no poder, com certeza!
    Vamos torcer p/ que tudo corra bem e fiscalizar as despesas orçamentárias das duas importantes competições mundiais realizadas aqui no País.
    Deve-se investir sempre em saúde, educação e segurança, algo muito falho há tempos ( diria uns 50 anos…) no Brasil.
    Agora, que tem muito oposicionista mordendo os cotovelos pelo fato do Lula ter conseguido trazer as duas competições p/ o Brasil, com certeza tem!
    A inveja pode matar, não?…rs.

    Abraços, David.

  7. Ernesto Donizete da Silva

    Lógico que como brasileiro, quero ver o nome do nosso Brasil em evidência. E no caso, uma evidência positiva e salutar.

    No entanto, quero saber, se as inúmeras famílias que residem nas favelas cariocas, serão beneficiadas com a realização deste evento – Olimpiadas 2016. As desculpas e fundamentações dadas são as mais variadas e, como um ótimo marketin, quer induzir o povo a não enxergar as mazelas corriqueiras.

    Quem não se recorda do PAN do Brasil. Os gastos públicos com o evento, estava orçado da seguinte forma:

    Inicío: R$.375 milhões e ao longo dos anos saltou para: R$.3.5 BILHÕES, um aumento da ordem de 940% (novecentos e quarenta por cento). É lógico que o COB – Comite Olímpico Brasileiro tratou logo de arrumar inúmeras justificativas para o fato.

    As causas do tamanho disparate e a CORRUPÇÃO. Vamos supervalorizar as obras, vamos receber a famosa comissão sobre cada uma das empresas que for escolhida para prestar os serviços, etc….imaginem….é muito dinheiro no bolso de poucos em detrimento do POVO BRASILEIRO QUE PAGA A CONTA.

    Para se ter uma idéias, o “Tribunal de Contas da União (TCU) condenou Ricardo Leyser, membro do Comitê Organizador dos Jogos Rio-2016, a devolver R$ 18,4 milhões aos cofres públicos devido à suspeita de superfaturamento em gastos dos Jogos Pan-Americanos de 2007, no Rio de Janeiro”.

    Como venho demonstrando nas matérias anteriores: a CORRUPÇÃO no Brasil é culturas e uma grande parcela da população e conivente e praticante destes atos (verificar as pesquisas do DataFolha de outubro de 2009 e Ibope 2006 sobre o tema.

    Segundo a Folha de São Paulo (03/10), os gastos com as Olimpiadas 2016 será da ordem de 28 bilhões. Estou consultando minha “bola de cristal” e aposto com quem quiser que este valor será superado algumas vezes….é só esperar para conferir.

    Afinal muita gente vai ganhar..ganhar…ganhar $$$$$$$. Pena que não será o povo!

    Acorda Povo Brasileiro!

    Ernesto Donizete da Silva
    PSDB/Santos

  8. Raul, não importa quem conseguiu que o Brasil cediasse a Copa em 2014 e as Olimpíadas em 2016.
    A vitória é do País e não dos herdeiros.
    Mais importante é que haja um,a fiscalização de modo radical, para que alguns corruptos, e sabemos que não são poucos os oportunistas larápios do herário público, não venham, estragar os dois maiores acontecimentos esportivo que acontesserão em nosso Brasil.
    Já saimos com vantagem quando ocorrem essas competições:
    1- O Lula e ou o PT não mais estarão no poder!
    2- O Presidente será um economista, ex. ministro da saúde e atual governador do maior estado do nosso País!
    3- O Serra é a pessoa certa, no lugar certo, no momento certo!
    Até a vitória! no melhor lugar do pódium (“A PRESIDENCIA DA REPÚBLICA”)!!!

  9. Joaquim Cardoso

    Raul,
    A escolha do Mundial de Futebol em 2014, e as Olimpíadas em 2016, no Brasil (Rio de Janeiro), deve-se ao Plano Real, a estabilização da moeda e a segurança econômica, criados e estabelecidos na gestão do Presidente Fernando Henrique Cardoso e que o PT tenta surrupiar como se fossem suas essas ações, mas não farão que o povo acredite nessa versão.
    Estes eventos serão uma oportunidade única para o desenvolvimento do esporte se começarmos a atuar nas escolas e universidades, que sem dúvida é onde se formam os atletas de alto nível e a oportunidade de todos praticarem sem pensar em performance.
    Acredito que alcançaremos metas sociais importantes, que é o que interessa, se fizermos projetos nas áreas essenciais como:, Educação, Saúde, Transporte, Habitação,Pré-sal etc… Para que se tenha sucesso há necessidade de um belo planejamento, que sem dúvida será muito bem executado pelo nosso próximo Presidente, José Serra.
    Um afetuoso e saudoso abraço do Joaquim Cardoso

  10. Ninguém é maluco de negar a alegria de vencer essa disputa.
    As principais estrelas de nosso esporte estavam lá, gente que tem o reconhecimento mundial. Parabéns a todos, afinal, o Brasil “PODE” sediar uma Olimpíada, Copa do Mundo, qualquer evento importante, pois não há no mundo um país com tantas riquezas.
    A nossa preocupação é QUEM vai tomar conta desses investimentos.
    Qual a porcentagem da população que deve ter informação suficiente para enxergar que não dá pra confiar nesse time que está aí, desviando dinheiro do fundo de garantia do trabalhador para construir casinhas de plástico com preços superfaturados, entre outros desvios, desde sanguessugas, dolar na cueca, investimentos milionários na empresa do lulinha, e por aí vai?
    O desgoverno do coroné Inácio só inaugura pedra fundamental, há quase dez anos, e até agora NADA de útil e importante para benificiar e atender a população.
    Esse momento é muito importante para colocar a cabeça no lugar.
    Passada a euforia, temos que refletir sobre a falta de infraestrutura, ZERO em infraestrutura, em quase dez anos de desgoverno, salvo o que conseguem fazer alguns prefeitos e governadores.
    Por isso, nosso povo tem que se informar para escolher muito bem quem vai cuidar dessa fortuna, para que realmente seja bem aplicada e bem aproveitada depois, com eventos permanentes para o bom uso das instalações, assim como, manter os serviços de saúde, segurança e transporte, que devem ser aprimorados.

    A popularidade inútil não tem nenhum significado na “PRÁTICA”, é só marketing.
    Paulo Matos poderia nos dar uma aula sobre o que aconteceu durante a segunda guerra mundial e como os norteamericanos seduziram o governo brasileiro, e ficamos refém deles como estamos agora, pois eles estão pautando a propaganda do lula, a imprensa estadosunidenses é a principal referência para os comentários e argumentos dos petistas e até o marqueteiro do Obama foi contratado pelo PT.
    É o efeito Carmem Miranda que teve o mesmo efeito alucinógeno dos elogios orquestrados pela imprensa internacional.
    A única diferença é que a Carmem Miranda do século XXI usa barba.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *