Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Blog do Raul

MST no cravo e na ferradura !

Os discursos triunfalistas de Lula e do PT podem configurar um perigo nacional. Se nos últimos tempos batemos na tecla da incompetência do atual governo federal em executar as centenas de obras anunciadas nos palanques do PAC, pelo comportamento de integrantes do MST – Movimento dos "Trabalhadores Rurais" Sem Terra no interior de São Paulo, destruindo pés de laranja em protesto pela reforma agrária na região, é possível concluir que nem tudo na história deste país vai bem como a propaganda oficial alardeia e massifica. O MST é um braço ativo do PT, assim como a UNE e a maioria das centrais sindicais. Se o MST está no jogo e ainda demonstra a sua insatisfação, mesmo com o tratamento dócil recebido do governo e do Congresso Nacional, que recentemente arquivou CPI que investigaria os seus repasses financeiros do lulopetismo, parece que os setores produtivos deste país continuam premiados com o fio da navalha.

Mas como isso poderia acontecer, se "nunca antes na história deste país" isso e aquilo ? O lulopetismo quando segue o planejamento e desfruta das bases sólidas na economia, desde Itamar Franco e FHC, obtém resultados favoráveis e desfruta dos melhores índices em muitos setores governamentais que não exigem gestores mais competentes que o básico e necessário. Veja, por exemplo a incapacidade de gestão do PAC, dado o número elevado de contratações irregulares, conforme atestado do TCU. Ou então a incompetência do atual ministro da Educação em gerir um dos programas mais bem sucedidos da história recente, o ENEM.

Conforme dados oficiais do INCRA – Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, o governo FHC, de 1995 a 2002, assentou 1.219.690 famílias de trabalhadores rurais sem-terra, o maior número já registrado na história do Brasil. Em contraposição a esses números, utilizo depoimento da principal liderança do MST, João Pedro Stédile, em entrevista ao UOL, onde afirma que o governo Lula está em dívida: "O número de desapropriações de fazendas, em especial na região Nordeste e nas regiões Sudeste e Sul, que são regiões mais agrícolas, foram menores do que no governo FHC."

Stédile afirma que para manter as estatísticas, o atual governo fez projetos de colonização na Amazônia, pegou terras públicas e distribuiu, enquanto na verdade, "o que vem acontecendo no Brasl nos últimos 10 anos é que há um violento processo de concentração da propriedade da terra. Em vez de nós estarmos democratizando a propriedade da terra, dando acesso a mais gente e criando mais oportunidade de trabalho para que as pessoas não venham para a cidade, nesses últimos anos nós sofremos um processo de concentração, jutamente por essa ineficácia do governo Lula em desapropriar fazendas nas regiões Nordeste, Sudeste e Sul."

O número de invasões de terras, durante o governo FHC, seguiu uma tendência de queda a partir de 1999, com os assentamentos e a execução de programas de agricultura familiar, até para ensinar o "sem terra" a viver e sobreviver da atividade agrícola. Mas os números começaram a inverter logo em 2003, no primeiro ano de Lula, com ocupações de propriedades privadas. Nos oito primeiros meses do lulopetismo, ocorreram 171 novas ocupações.

O coordenador nacional do MST, João Batista Oliveira, disse que o seu movimento se sente injustiçado pela maneira como a questão foi tratada durante os anos em que o PT está no poder: "O governo Lula não teve a coragem de mudar a política agrária e implementar um novo modelo de produção no campo, baseado na reforma agrária e no fortalecimento da pequena e média propriedade".

Então, se o atual governo não consegue se entender com os seus, a quem compete regular esses acontecimentos, com a definição e execução de políticas públicas mais claras para o setor agrário, e garantir a paz e a segurança no campo ? O MST não é inimputável. Se ele recebe recursos do Estado para manter as suas manobras e atividades de cunho político, a imagem do Brasil ficará mais transparente com uma nova CPI, sob a vigilância da sociedade brasileira, para investigar patrocínios sem contrapartidas.

Preocupa cada vez mais a impunidade dos radicalismos. Nada poderia justificar as cenas dos últimos dias, daquele trator derrubando cinco hectares de plantação de laranjas. Se há um governo que se diz comprometido com a emancipação social no Brasil, qual a razão para tamanho fogo-amigo ? Esse não é um processo educativo para a cidadania de um país que propagandeia viver num outro estágio perante o mundo mais desenvolvido. Cansa essa condição de pagar compulsoriamente essas contas ! Chega !

Compartilhe

11 comentários em “MST no cravo e na ferradura !”

  1. PAULO MATOS

    VAMOS SER OBJETIVOS? ENTÃO VAMOS:NÃO É FÁCIL ASSUMIR A POSIÇÃO DOS “DE BAIXO”!

    A REVOLUÇÃO DE 1935 – Paulo Matos (*)

    Neste 27 de novembro de 2009 registramos os 74 anos da Revolução de 1935, episódio pouco conhecido e ensinado e, quando isso é feito, impõe-se deformações frutificadas da época de graves contradições ideológicas entre os donos do poder e os revolucionários, que tinham expressiva atuação política no Brasil.
    Essa Revolução socialista chegava propondo reformas sociais, econômicas e políticas de que o Brasil carece até hoje: aumento de salários, nacionalização das empresas, proteção da pequena propriedade, defesa das liberdades públicas, sob o lema “Terra, pão e liberdade”.
    Presente no capítulo VII do livro “Verão Vermelho – os 60 anos da luta o petróleo é nosso”, deste autor, esta leitura da chamada “Intentona” comunista de 1935 foi uma tentativa de mudança política do país que, por sua extensão territorial e múltiplas realidades.
    Todo este processo de luta popular tem uma raiz histórica que passa pela derrota em 1935. Um movimento que para crucificar seu significado foi batizado de “Intentona Comunista” pelos setores dominantes da direita, “intentona” que em espanhol significa “instinto louco” ou “plano insensato”. Mas a Revolução de 35 no Brasil, da Aliança Nacional Libertadora – ANL – foi, na verdade, muito mais do que isso.
    A Revolução de 35 foi uma Frente Popular para combater o nazi-fascismo e fazer a revolução socialista, humanizando uma sociedade cruel e desigual, o primeiro e maior movimento popular de caráter nacional no Brasil. A palavra revolução tem hoje o sentido contrário de seu significado etimológico latino, em que “revolutio” se traduz como retorno ou volta. Mas revolução é futuro.
    Segundo Emannuel Kant, a revolução é uma força necessária no processo evolutivo da humanidade, desde que seja real e transformadora das estruturas sociais. É o passo decisivo embora doloroso, escreve Kant, para construção da nova sociedade em bases éticas superiores.
    É a ruptura da ordem social vigente e suas condutas consideradas normais no modo de pensar, crer e agir. A ANL foi a primeira organização política nacional das classes populares em mais de quatro séculos, escreveu Ronald H. Chilcote na Universidade da Califórnia em 1974, no livro “The Brazilian Communist Party – 1922/1972”.
    Criada na onda das frentes populares européias, a Revolução de 35 recebeu apoios do rio grande do norte e Pernambuco e reagia contra um Brasil oligárquico e cruel com as maiorias. Era liderada pelo Partido Comunista Brasileiro, então “do Brasil”, cujo diferencial da história da esquerda no país era a prática da organização sem o empirismo da agitação política sem alvo objetivo, procurando superar as lutas anarquistas.
    Esta é uma história que os livros oficiais ou não contam ou deturpam drasticamente, sem revelar a barbárie da repressão sanguinária que se seguiram contra os que queriam evoluir a sociedade dos seus antigos marcos herdados.
    Durante toda a idade média, pensamento que herdamos, considerou-se justa a desigualdade em favor da nobreza e do clero, o que se modifica com as revoluções inglesas de 1640 e francesa, 1789 – abrindo as portas para a transformação mundial que 1935 ousou.
    1935, A REVOLUÇÃO QUE O BRASIL PERDEU
    Há 74 anos, registrados em 27 de novembro de 2009, o Brasil perdia sua oportunidade de crescer com igualdade, captando o sonho da solidariedade social em um dos maiores países do mundo com uma Frente Popular. Seu Presidente de Honra era Luiz Carlos Prestes, antigo líder da Coluna Tenentista que percorreu o Brasil de 1925 a 1927 sem uma única derrota, na defesa de reformas sociais que beneficiassem as maiorias.
    Então com 38 anos, nascido em 3/1/1898, engenheiro pela Escola Militar do Rio de Janeiro em 1919, Prestes era Capitão-engenheiro em Santo Ângelo, RGS, no quartel que rebela. E se junta com Miguel Costa na famosa Coluna, em 1925. È em 1927 seu contato com Astrogildo Pereira, ex-anarquista fundador do PCB em 22, que o traz para a causa comunista.
    Em 1929 Prestes é convidado pelo PCB para disputar a Presidência da República, não conseguindo um consenso entre os tenentes da Coluna. E deixa eleger Julio Prestes, da oligarquia paulista. Convidado por Vargas para a direção militar da Revolução de 1930, manifesta sua recusa através de um manifesto em abril.
    Vitorioso o movimento de 1930, é preso em Buenos Aires. Quando sai da cadeia se filia ao PC. Convidado novamente por Vargas, outra vez recusa, compreendendo a necessidade da Revolução Popular para o Brasil. E vai para a União Soviética em 1931, com a família.
    A história da Revolução de 35 começa no 3º Congresso do então PC do B, como foi fundado, que organizou a “Antimil” dentro dos quartéis, uma ordem secreta dos comunistas, a quem caberia o principal na organização do levante. A legalidade do PCB durou apenas três meses e dez dias depois da fundação em março de 1922, logo depois do que tinha cinco mil militantes.
    O PCB comandava a Frente, embora fosse minoritária dentro dela. Seu crescimento sempre incomodou as classes dominantes, tornando-se uma das principais forças eleitorais em vários momentos de nossa história – fazendo com que se aniquilassem fisicamente seus membros, presos, torturados e assassinados, sempre.
    A derrota da Revolução de 1935 impediu o país de se equalizar e avançar – preservando a injustiça social e as mazelas herdadas da colonização por países aonde as luzes da Revolução Francesa não chegaram. A missão decidida pela Internacional Socialista era fazer revoluções em todo o mundo para salvar do fascismo e romper o bloqueio econômico e político à União Soviética. E foi o que se fez aqui, embora estratégica e temporalmente errado.
    Fundada em março de 1935 e presidida por Hercolino Cascardo, a ANL indica Prestes para a presidência de honra (pela voz de ninguém menos do que o filho do deputado socialista Mauricio de Lacerda, de nome Carlos Lacerda), nas cerimônias de lançamento em 30 de março desse ano.
    Em 29 de junho, a ANL recebe a adesão dos anarquistas em SP e é fechada pelo Governo em 12 de julho, após defender a derrubada de Vargas em 11 desse mês – quando foram distribuídos 150 mil exemplares do jornal aliancista “A Platéia” com o manifesto desafiador.
    O fechamento da ALN em julho pelo Governo serviu para a proposta do levante dos quartéis. Segundo Noé Gertel, presidente da Juventude Comunista Paulista, a ANL tinha duzentos mil militantes no país e forte apoio na classe média, integrada por expressivas lideranças nacionais, infiltrando-se nos quartéis e fundando entidades de atuação social, publicando jornais e fazendo eventos massivos.
    Em setembro, Prestes passava a fazer parte da executiva da Internacional Socialista, junto com os principais líderes mundiais, de Stálin a Mao e Dolores Ibarri. A revolta explodiu primeiro em Natal, RGN, a 23 de novembro e a 24 e em Recife, PE, 27 no RJ, sendo derrotada em quatro dias e iniciando uma desproporcional caçada humana no país, tendo Prestes sido encarcerado por nove anos. Só em 1958 um mandato judicial interrompeu seu mandado de prisão preventiva.
    A ANL projetava a construção de um futuro comum e comunista, majoritário, das maiorias, dirigido por um acordo coletivo e em prol de todos os seus membros, não apenas de alguns, como hoje.
    Combatida pelos fascistas da Associação Integralista Brasileira, a ABI de Plínio Salgado – os “Camisas (galinhas, chamavam) Verdes”, com batalhas nas ruas -, a Revolução de 35 era um resultado de uma trajetória que começa nas revoluções de 22 e 24, a revolução paulista de Isidoro, que fez nascer a Coluna Prestes-Miguel Costa em 25) e a Revolução da Aliança Liberal dos tenentes de 30 – visando superar o atraso social.
    Até 1930 o Brasil foi governado por uma oligarquia agro-comercial, as elites rurais do nordeste e os barões paulistas do café, mais os exportadores. A crise capitalista de 1929 nos EU moveu a Revolução tenentista de 30, quando Vargas institui o compromisso inter-classes dirigentes de fazendeiros a banqueiros e industriais para “segurar” o país das agitações anarquistas que cresciam desde fins do século XIX.
    A Revolução de 35 significou um novo momento de aglutinação das forças reformadoras e progressistas. Ele nos remeteria ao acirramento da repressão e ao Estado Novo de 1937, que obedece à lógica fascista mundial em desenvolvimento na época na Itália e na Alemanha, instituindo-se então um governo forte que ameaça alinhar-se a Alemanha, só não o fazendo pela pressão dos comunistas nas ruas.

  2. Ricardo Muza

    Ser objetivo em 120 linhas, somente o querido Paulo Matos, mesmo, rs.
    Tentearei fazer o mesmo, mas de verdade: que é preciso fazer uma reforma agrária, ninguém discute. MAs, quando aqueles que ganham a terra a vendem em seguida, ganham dinheiro do governo para ensinar a prática da violência as suas crianças e destroem, não obedecem a Lei e não respeitam nada nem ninguém…perde-se a razão.
    Simples assim.

  3. Nestor Figueiredo - Santos/SP

    Derrubar 7.000 árvores e depois em disfarce dizer que era para plantar feijão? Invadir, expulsar os agriculotres, suas mulheres e suas crianças de terras produtivas? Que posicionamento é esse dessa classe?
    Isso é vandalismo, nu e cru!
    Isso é um completo desrespeito a sociedade brasileira!
    Qual a posição agora do governo petista, que incentiva e subsidia essa corja?
    De onde vem os incentivo ideológico para essa cambada, que se rotulam a postulantes à agricultores? Da CNBB???
    O país estará sob as mãos da anarquia se algo de não for feito!

    Alguém tem que responder por isso! E responder caro!

    100 anos de cadeia é pouco!

    Abraços,

    Nestor

  4. Todos precisam comer, para viver a vida

    Brasil, um Brasil de todos entrando no ar pela sensibilidade humano

    A transparência Brasil precisa ser mais rápida, para produzir efeito positivo para todo brasileiro, ter sua casa, todo agricultor sua terra, todas as crianças escolas na hora certa

    A falta do RG: matriz que vai pendurar todos os documentos num só a nível nacional para o cadastramento de tudo em todo território esta a caminho para facilitar o assentamento dos sem terras dos sem tetos, das bolsas educação família terra casa saúde, para o controle absoluto eliminar as duplicidades possíveis de existir

    Conheci um cara, que agora conheço

    Conheci um cara que era contra tudo

    Agora que conheço e contra tudo mais ainda, o negocio dele ir contra quem esta, e a favor dos que não estão

    Quando os que estão fora entrar dentro, esse cara vai ser contra, e a favor dos que estavam dentro que era contra vai ficar a favor, no final dessa historia ele deve ganhar um cachê para ajudar a enrolar o meio de campo faz mágica na vista do povo

    No presente a cada dia que passa com o Lula na presidência a panela ta ficando mais fina, porque a panela de fora ficou maior com a população amassando as panelas de dentro, com a ajuda da internet pelos usuários e profissionais de alto nível estão retribuindo seu conhecimento dividindo com os interessados, dando de presente à população as instruções que faltava como herança

    O mundo vai sofrer muitas sacudidas, da natureza que vai cobrar as contas de nos aos poucos, de troco vai deixar seqüelas os vírus, de carona mexe com tudo a economia vai ficar do avesso, com essa que já esta quase virando

    Depois disse e que entra a tecnologia, com soluções das mais surpreendentes possíveis, consideradas impossíveis no momento, pelo estado acomodado no presente, que vai ser dispensado automaticamente por todos nos que está perdendo tempo atrasando o processo dos outros e seu próprio

    E a partir desses acontecimentos que vem para consertar a nossa mente que o Brasil passa ser uma das sequência dos lugares mais desejados do planeta terra onde tudo vai estar dez vezes mais caro que em qualquer lugar do mundo

    Serão os primeiros passos para o mundo ficar como se fosse um só na moeda imposto único acompanhando o resumo do futuro no projeto felicidade para todos, unir todos benéficos num só em vida nasce recebe indo para o fundo motivador educacional de todos, morre acaba, baixando os custos de tudo, sobra recursos para todos ter um plano de saúde, alem do melhor plano que e o alimento a comida no futuro, a pílula eterna

  5. fausto ivan

    O verdadeiro dono da parte de cima do muro é o Lula. Consegue acender uma vela prá Deus e outra para o diabo. Sempre. Por isso o PT perdeu a identidade, já que, oportunista, deixa Lula comandar (como ocorre agora na imposição da Dilma e do vice)para continuar a mamar nas tetas governamentais. Quanto ao mst, é ridículo, em qualquer parte do mundo já teriam sido confrontados com a devida contrapartida.

  6. Caro Raul,

    É claro que invadir área produtiva e destruir pés de laranja, não ajuda em nada o movimento legítimo dos sem-terra. Assim como também não ajuda alguns elementos do MST repassar as terras depois que as conquistam. Mas aproveitar este triste ocorrido para pregar, como fazem os ruralistas, medidas contra TODOS os sem-terra, como faz a mídia comprometida, não dá!
    Deve -se sim, retirar as laranjas podres do movimento ( aproveitando o simbolismo da laranja…), expulsando-os do MST e estes recebendo a devida ação da Justiça pelo ato de invadir terras produtivas. Mas jamais deveremos deixar de reconhecer a legitimidade dos movimentos sociais, sejam urbanos ou rurais,no caso urbano, como acontece agora com a greve dos bancários.
    A mídia comprometida, somada aos formadores de opinião com formação fascista, aproveitam o momento para criticar TODOS os movimentos rurais.
    Repito: deve-se punir, separar das cestas, as laranjas podres, mas jamais criticar e querer punir todo o movimento dos sem-terra. Temos que evitar que os modernos senhores feudais preguem a volta da Idade Média de triste memória.
    Aproveito e parabenizo o Paulo Matos pelo brilhante texto.

    Abraços, David.

  7. Ernesto Donizete da Silva

    Raul, este “blog” está muito reacionário.

    Deixa o MST do Sr. Inácio em paz. Já fizeram de tudo para fazer com os milhões de reais destinados a este movimento não fosse investigado – “abafaram”.

    A coisa acabou em pizza. E a partir de hoje companheiro Raul e demais “bloggistas”, enquanto o Sr. Inácio e o PT estiverem no poder, a coisa ficou melhor:

    Agora tudo acaba em PIZZA E LARANJADA!!!

    E mais um escândalo, uma afronta ao estado democrático de direito, uma verdadeira subversão da ordem e uma total falta de compostura ética, moral e legal, em todos os absurdos que a cada dia somos presenteados.

    Viva as falcatruas;

    Viva as indicações;

    Viva as não apurações;

    Viva as ilegalidades;

    Viva a corrupção;

    Viva ao PT e

    Viva ao Sr. Inácio…

    Acorda Povo Brasileiro!!!

    Ernesto Donizete da Silva
    PSDB/SANTOS

  8. Laerte Braga

    Tucanos são corruptos e venais na gênese. O MST ocupou terras griladas por empresa sonegadora, que produz sucos a partir de laranjas modificadas geneticamente, cheias de agrotóxico. O governo Lula, em qualquer ítem que se confrontar com a gerência real do general Anselmo (um é cabo, outro, FHC, é general) é sempre mil vezes melhor.

    TUCANOS GO HOME!

    Laerte Braga

  9. Raul, acho que o MST avançou o sinal. Invadir terras (dizer grilada é pleonasmo) da maior multinacional do ramo de suco, como a CUTRALE, é deixar os DEMOtucanos enlouquecidos. Vai ter troco. Centenas de "colonistas" a soldo ou por ódio ou preconceito de classe, gastarão rios de tinta para demonizar os movimentos sociais e solidarizar com o casal Ronaldo Caiado e Kátia Abreu. Outros mais envergonhados rezarão para que o Brasil seja governado por um lider de pulso, como o golpista Roberto Micheletti, de Honduras. Abraço

  10. Caro Raul,

    Aproveito o espaço p/fazer minhas as palavras do companheiro Betão. Muito bem observado, Betão!

    Abs., David.

  11. Raul, vejo o quanto é difícil, querer tentar mudar algo ou se quer uma opinião.
    O que é errado para alguns, para outros é correto.
    Se observarmos as opiniões colocadas, verificamos as controvérsias.
    Portanto, o melhor talvez não seje tentar julgar as pessoas e fatos ocorridos, e somente procurar ser um canalha a menos, sei que é pouco para que seje o melhor, mas se cad um fizer a sua parte boa, com certeza a humanidade conseguirá derrotar o mal ou mau, não importa, o que importa é sempre procurar seguir os corretos e não os oportunistas.
    O reinado do pt-lula está chegando ao fim, sem reforma agrária, sem fome zero e sem pac.
    Aí quando estiverem na oposição, isto é fora do poder e das benesses, então faram o que de fato sabe fazer e muito bem o pt do sr. Inácio:
    Passeatas, quebra quebra, ser somente o que são, pessoas oposicionistas!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *