Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Blog do Raul

Há empregos, mas falta qualificação !

José Serra tocou num dos pontos mais preocupantes do setor produtivo hoje: a falta de mão de obra qualificada para atender às demandas de empregos existentes e disponíveis. Ao assumir a sua candidatura a presidência da República, neste final de semana, Serra disse que um governo deve começar a governar logo no seu primeiro dia e que a sua urgência, se for eleito no dia 3 de outubro deste ano, será a criação de mais de 1 milhão de novas vagas em novas escolas técnicas, com cursos de um ano e meio de duração, de nível médio, por todo o Brasil. Mas essa contradição, da existência de empregos e da falta de qualificação para eles, associada ao exército de desempregados em nosso país, também precisa ser analisada sob a ótica dos baixos salários oferecidos pelos empregadores e que tornam essas vagas desinteressantes.

Com o compromisso público de José Serra, da importância que a Educação para o emprego terá em seu governo, a distorção salarial receberá providências na medida em que o Brasil revisar os seus recordes atuais com o mais baixo investimento governamental do mundo em infraestrutura, a maior taxa de juros reais do mundo e a maior carga tributária das nações em desenvolvimento. Resolvidos esses gargalos, que impedem a satisfação das nossas necessidades e preenchimento de nossas esperanças, o país verá o crescimento da sua economia.

Não é a primeira vez que escrevo sobre essas carências do Brasil e das estatísticas preocupantes com o número de trabalhadores excluídos dos efeitos benéficos da prosperidade e do crescimento econômico nacionais. Os avanços tecnológicos mundiais e a influência deles na vida dos setores produtivos exigem preparo dos jovens, trabalhadores, desempregados, de todos os níveis sociais e de formação educacional e profissional.

Serra atinge de maneira certeira o alvo do Brasil menos desigual para todos. Realmente é de fundamental importância priorizar um amplo programa nacional de qualificação para o emprego, inclusive prevendo a multiplicação de cursos de qualificação mais curtos, para atualização dos trabalhadores da ativa e também para os desempregados. E, nesse cenário, cabe tirar do papel idéias e programas como o “meu primeiro emprego”, para os adolescentes e jovens que saem do ensino básico despreparados para ingressar no mercado de trabalho.

Hoje crianças e adolescentes são beneficiados com a compensação financeira do programa Bolsa Família. Na travessia da adolescência para a juventude observamos um vazio que poderia ser coberto pela Bolsa Família, dando uma ajuda de custo para os jovens cujas famílias dependem desse programa, enquanto eles se sentissem inventivados em participar de cursos profissionalizantes com vistas ao primeiro emprego.

Pesquisas recentes, como a realizada pela Manpower, uma consultoria internacional de recursos humanos, reafirmam que não faltam empregos e que o grande problema dos setores produtivos e de prestação de serviços é a carência de qualificação. Cerca de dois terços dos empregadores brasileiros não encontram mão de obra qualificada para preencher vagas existentes.

Nosso país não é o mais defasado nesse quesito. O Brasil perde apenas para o Japão, de acordo com esse levantamento da Manpower: dos 35 mil empregadores ouvidos em 36 países, 64% dos empregadores brasileiros responderam que têm dificuldade em preencher as vagas, enquanto no Japão a queixa foi de 76% do total. A média dos países consultados é de 31% dos empregadores.

É evidente que com José Serra na presidência da República vamos virar uma página na história da economia brasileira, aumentando a nossa capacidade de produção e renda. Um próximo governo focado em empreender mais vagas e cursos profissionalizantes, disposto evitar um apagão de trabalhadores capazes para tarefas da sua própria sobrevivência e desenvolvimentistas, só pode ser um governo que fará muito mais pelo Brasil.

Compartilhe

5 comentários em “Há empregos, mas falta qualificação !”

  1. É, Raul. Falta qualificação por absoluqa falta de escolas qualificadas.

    Por sinal, Raul, a falta de qualidade é a Cobra que se Devora. Desqualificação gerando coisas mais desqualificadas.

    A tal educação de jovens e adultos.

    A tal moda dos cursos tecnológicos de dois anos.

    A tal progressão continuada.

    Vamos só tocar no besteirol dos cursos de Petróleo e Gás. Precisamos de instrumentistas, isso sim. Curso que o SENAI tem já faz muitas décadas.

    Raul, faltam pedreiros, encanadores, pintores. O que diremos da falta de professores. De mestres, doutores?

    Você sabe que as universidades demitem doutores. E mestres. Querem pagar pouco. Não querem pesquisador. Querem alguém que aprove analfabeto para continuarem a receber as mensalidades.

    Caro Raul. O Serra é ótimo e acredito nele. Mas agora é a força da gravidade que atrai a educação para a vala. E não dá para mudar a Lei da Gravidade.

    Já são ao menos três gerações do ensino da pior qualidade. Você não vê aquela escola que diz ter mais de 1 milhão de livros na biblioteca? Ou aquela outra que aumentou de 200 para 1300 reais a mensalidade só para defenestrar 12 alunos caros? Ou da instituição religiosa de ensino que rasgou seu regimento em nome de um pseudo déficit financeiro? Déficit manipulado?

    Assim, como qualificar para o emprego se ensinar virou piada? Generalizadamente e com raríssimas excessões.

    As empresas já trazem gente de fora. Do Brasil.

  2. Excelente post, Raul.
    Sempre acreditei que a educação é a base de tudo.
    Esperamos que com José Serra, tenhamos mais investimentos em Educação e menos assistencialismo.

  3. joão Inocencio

    A Escola Estadual Padre Bartolomeu de Gusmão rua Itanhaem, 394 Saboó, Santos só funciona nos períodos da manhã e noite. À tarde, as classes ficam vazias. Por que não pensar em aproveitar o espaço nesse período ocioso? A exploração da camada de pré-sal na Bacia de Santos e outras atividades exigem qualificações não apenas nas áreas operacionais, mas também no turismo, hotelaria, acolhimento logística… Solicitamos: Cursos técnicos e profissionalizantes. Projeto na estrutura física da escola que atenda demandas e amplie oportunidades. Profissionais especializados que atenda alunos com dificuldades. Ex. disciplina, relacionamento, aprendizado, saúde e outras. Ginásio com toda infra-estrutura, que ofereça espaço para atividades culturais, esportivas, sociais, educativas.

    http://blig.ig.com.br/joaoinocencio/

  4. GERALDO COSTA

    EU ADORO O GOVERNO E A POLITICA DO LULA. NEM PRECISO TRABALHAR… GANHO 3 BOLSA FAMILIA QUE É MUITO BOM. FICO EM CASA CURTINDO FUMANDO UM, JOGAMOS TRUCO SEMANA E OS OTARIOS VAO TRABALHAR. HAHAHA. DILMA VAI VENCER PRA GENTE CONTINUAR BEM! E EM 2014 TEM COPA DO MUNDO … E CARNAVAL TODO ANO! E VOCES TRABALHEM MUITO NA CAMPANHA DA DILMA PORQUE EU QUERO CONTINUAR RECEBENDO TODOS OS MEUS DIREITOS E AINDA NAO TRABALHAR! POR ISSO EU SO PT ATÉ MORRER!

  5. Paulo Cesar (PC)

    Boa Noite Raul Christiano.
    Como professor sempre acreditei na educação dentro de um modelo em que a sociedade possa ser gerente do progresso educativo das pessoas, principalmente das mais carentes. Creio que as instituições associativas, como ongs e oscips possam auxiliar na qualificação de mão-de-obra em nosso país. O que o senhor acha sobre esta questão?
    Abraços.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *