Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Blog do Raul

ENEM, um ensaio para onde ?

O Governo Lula comete muitos pecados no quesito gestão administrativa e, pelo segundo ano consecutivo, promove trapalhadas na condução das provas do ENEM – Exame Nacional do Ensino Médio, colocando em risco a sua sobrevivência. Ao invés de promover as mudanças de maneira gradativa, o Ministério da Educação – MEC resolveu alterar o formato do exame de avaliação, atribuindo-lhes finalidades que estão gerando descontrole e tumultos, porque não há uma coordenação afinada entre a aplicação e o envolvimento do número de participantes. Além dos problemas operacionais, expostos em todas as mídias, o problema se apresenta na necessidade de se ter questões muito específicas, o que aumenta a tensão na elaboração das provas e no seu sigilo.

O MEC, de sopetão, quer transformar o exame em vestibular nacional, uma tarefa praticamente impossível se não forem adotadas medidas garantidoras do seu sucesso. A ideia é muito boa, mas numa primeira etapa é preciso considerar o ENEM uma espécie de primeira fase para todos os vestibulares do Brasil, como ocorre nos Estados Unidos, e realizado mais de uma vez ao ano. O presidente Lula não aceita o contraditório, “ignora” as falhas sérias e brada que o “sucesso do ENEM foi total e absoluto”.

Enquanto o ministro Fernando Haddad (Educação) procura encontrar uma saída e realizar novas provas exclusivamente para os estudantes que tiveram o cabeçalho dos cartões de resposta invertido e parte das provas do caderno amarelo com questões duplicadas ou inexistentes, Lula quer partidarizar a compreensão dos problemas. Para o presidente da República, “tem muita gente que quer que (os erros) afetem (o exame). Tem gente que não se conforma com o ENEM, mas, de qualquer forma, ele provou que é extraordinariamente bem sucedido“. Ora, Lula, ninguém está se posicionando contra o ENEM, mas questionando as suas mudanças radicais e, até onde eu me recordo, os únicos que sempre torceram contra a existência do ENEM foram os seus companheiros do PT.

O objetivo inicial do ENEM sempre foi a avaliação do perfil dos estudantes do ensino médio, para saber o resultado das suas habilidades e competências, e apontar caminhos, induzir reflexões e orientar o sistema de ensino como um todo. Professores e especialistas educacionais teriam à sua disposição, relatórios sobre o desempenho de seus alunos em cada prova e em cada competência. Naquela ocasião, faculdades e universidades do país já vislumbravam a expectativa de conquistar os melhores estudantes para as suas classes, considerando a nota do exame como um fator importante na pontuação dos seus vestibulares de acesso.

Recordo da logística nas primeiras edições da prova, sob a coordenação do ministro Paulo Renato Souza (Educação/FHC) e da ex-presidente do INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, Maria Helena Guimarães de Castro. A participação de inscritos era menor em relação aos números atuais (cerca de 3 milhões de estudantes fizeram o exame este ano) e as metas eram bem diferentes, focadas na melhoria da qualidade da educação brasileira. Hoje evidencia que o MEC não está preparado para as mudanças e acaba se perdendo nas obrigações da sua própria estrutura, embora difundam que a terceirização dos serviços de impressão e distribuições sejam mais comprometidos com as falhas reincidentes.

Aos poucos o ENEM se tornou objeto valioso, menos para a compreensão das medidas que pudessem melhorar a qualidade do ensino médio, e mais para a divulgação de rankings das melhores escolas no Brasil, assim como da seleção dos alunos mais preparados para a universidade. Em 2009, o governo Lula testou o ENEM pela primeira vez como processo seletivo para as universidades públicas, mas falhou com o vazamento das provas e o tempo ficou exíguo para que as instituições de ensino superior priorizassem a matrícula dos egressos da prova.

No início deste ano, tivemos o vazamento dos dados cadastrais de milhares de inscritos para o ENEM, vulnerabilizando informações privadas inclusive dos seus familiares, por coincidência durante ano de campanhas eleitorais. Esse primeiro sintoma, de “tragédia” anunciada, já comprometeu o slogan utilizado no material de divulgação do ENEM 2010, que assinalava “um ensaio para a vida” e que agora parece mais um mergulho no pântano da incompetência e frustração. Volto a lembrar a fala da presidente eleita Dilma Rousseff, com uma correção: a Educação no Brasil não está bem encaminhada.

Compartilhe

3 comentários em “ENEM, um ensaio para onde ?”

  1. Maisa Costa

    Raul,
    por mais que eu tente não consigo entender como um único instrumento atende a diversos processos: os resultados do novo ENEM podem ser utilizados para fins de certificação da Educação de Jovens e Adultos (EJA), seleção de bolsas de estudos parciais ou integrais (PROUNI), processo seletivo e seleção unificada nos processos seletivos das Universidades Públicas Federais. E essa nova prova única ainda acena para a reestruturação de currículos no ensino médio. Um ensaio para onde?“… mas, se você não sabe para onde está indo, qualquer caminho serve.” William Shakespeare

  2. Luiz Paulo Neves Nunes

    Olá Raul

    A gestão da Educação está ruim em todos os níveis do Governo Federal, veja o caso do FUNDEB, que está descambando para a corrupção, pois as contas não estão fiscalizadas como deveriam.
    Olhe a criação, a toque de caixa, dos Institutos Federais, burocratizando e crianço mais cargos nos antigos CEFETS. Olha a criação, só no papel, de algumas Universidades Federais, e a ampliação de algumas, sem nenhum estudo sobre as reais necessidades profissionais das regiões (o Campus da UNIFESP em Santos é um excelente exemplo de desconexão da Universidade com a Comunidade local).
    O Presidente Lula ainda teve a capacidade de solicitar à Presidente Eleita Dilma que mantenha o Ministro Fernando Haddad. O ex-Ministro da Educação Cristóvão Buarque manteve o ENEM inalterado, pois apesar de algumas divergência com a administração do ex-Ministro Paulo Renato, reconhecida os avanços na educação.
    Basta lembrarmos que durante a Gestão FHC, comemoramos o índice de 98% das crianças na escola.
    Lembro que em 2006 esses índice havia abaixado para 92% e em 2008, quando anunciaram 88%, pararam de fazer atualizações.
    Mas poderíamos “exportar” a tecnologia e a logística do SARESP, pois faremos este anos a 13a. edição sem nenhum caso de vazamento, de cola eletrônica ou qualquer outra irregularidade.
    Não vejo problemas de vazamentos com o FAT, do Centro Paula Souza, ou com a VUNESP, da UNESP, ou com a FUVEST, da USP.
    Alguns petistas de plantão podem até dizer que o governo tucano em São Paulo desvalorizou os professores, não investiu em educação. Convido-os à conhecerem a Teia do Saber, o Ensino Médio em Rede e o Ler e Saber, e o sistema apostilado do Estado. Convido a conhecerem as ETECs e as FATECs. Se isso não for valorizar o processo educacional, não sei mais o que seria, porque valorizar a educação não é apenas dar aumento salarial ao professor, mas melhorar suas condições de trabalho e principalmente, melhorar as condições de aprendizado para os alunos.
    No Governo Federal atualmente, seriedade na educação é um discurso habitual. Em São Paulo, seriedade na educação é uma prática habitual.

    Forte Abraço

    Prof. Luiz Paulo Neves Nunes
    PSDB – Guarujá

  3. Roberto Carlos da Silva

    Prefiro as “trapalhadas” do Enem, como o erro na prova de 0,04% (dois mil, em um universo de 5 milhões de estudantes) do que continuar com o maldito e burro vestibular, que ninguém antes do governo Lula ousou exterminar. Meu filho, Heitor, está estudando Direito na universidade federal do rio de janeiro. Se inscreveu na Federal do Mato Grosso do Sul e na do Rio de Janeiro. Passou nas duas usando simplesmente a nota do Enem. Tudo sem sair de casa. Se inscreveu pela internet; alguns dias depois verificou o resultado e se matriculou. Só precisou viajar para levar todos os documentos e garantir a matrícula, sem tensão, já com a certeza da vaga garantida. Sem a estupidez de ter de escolher para que estado viajar por coincidência de datas de vestibular. E os doutos Fernando Henrique e Paulo Renato Souza em oito anos jamais ousaram algo parecido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *