Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Blog do Raul

Amy nos enluta

27 anos de idade hoje em dia significa mais de 1/3 da nossa expectativa de vida. Dói testemunhar perdas prematuras como a da morte da cantora Amy Whinehouse. Surpreenderia se Amy conseguisse viver muito mais com os seus usos e costumes, mas ninguém torcia pela sua vida breve. Não foi o melhor exemplo para os nossos filhos, tal qual ídolos nossos que tiveram o mesmo destino e também se foram aos 27 anos, como Janis Joplin, Kurt Cobain, Jim Morrison e Jimi Hendrix. Compreendo a realidade. Incluo-me entre aqueles que não optaram pelo uso das drogas, atento às informações e percepção do meu meio ambiente. Por isso acho que faz todo sentido FHC despertar o Brasil e o mundo para a organização e tratamento desse destino. Vida breve não faz sentido!

As primeiras informações sobre a morte de Amy Winehouse pareciam boatos. Quando se fala que a fonte é um jornal inglês, com os escândalos das escutas nos últimos tempos, a dúvida precipita. Mas não demorou muito para que todas as mídias confirmassem e explodissem a notícia. Tão jovem para ir embora, caminhando e cantando aos tropeços ao encontro dos anjos no céu.

Tenho um filho dessa geração. Vai completar 28 anos na semana que vem. E já definiu o seu caminho, sabe para onde vai e como deve sobreviver nessa passagem encarnada, criativa e produtiva. Amy soou nos meus ouvidos como um encanto, logo na primeira vez que a ouvi cantar. Não consegui associar aquela voz com a figura psicodélica que personificava. Parecia (e)terna.

De que valerá agora saber sobre a sua natureza de ave errante, seus laços frouxos com o cotidiano, se durante todo o tempo da sua expressão instantânea, foi impossível esconder a preocupação com os nossos jovens e adolescentes baladeiros? Droga e bebida tão cedo, com a exibição desumana de Amy nos palcos, serviram de alguma coisa para mudar os comportamentos dos que estão próximos de nós?

O debate posto por FHC sobre a descriminalização das drogas não poderia ficar para depois. Danem-se aqueles que não têm filhos sujeitos ao uso e à dependência do que faz mal à saúde. Quero futuro com o barulho das vozes dos meus filhos, como música e as melhores perspectivas…

Compartilhe

1 comentário em “Amy nos enluta”

  1. fausto ivan

    Também tenho filhos com 27 anos e, como todos e apesar de esperarmos esse resultado, ficamos chocados. Penso que a morte de Amy tem muito a ver com a falta de perspectivas da juventude e sua imbricação com a tecnologia, o excesso de informação vaporosa e sem foco, e também a globalização. Independente das drogas, somos vítimas desse sistema perverso, que nos rouba os jovens da ideologia para alça-los aos milhões nos picadeiros da música sertaneja, do axé, do funk etc… Mas, isto é tema para outros escritos seus amigo Raul.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *