Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Blog do Raul

FHC

Prévias no PSDB ou José Serra, eis a questão …

Dilemão do PSDB.
Um movimento de Gilberto Kassab (PSD) em direção ao lulopetismo foi suficiente para fragilizar o instituto de prévias internas para a escolha de candidatos às eleições majoritárias (prefeitos) pelo PSDB, que é uma aspiração histórica dos seus militantes e filiados. No ano passado, quando as prévias foram aprovadas pelo Diretório Estadual do partido dos tucanos em São Paulo, porque um de seus principais líderes nacionais – José Serra – não aceitava nem discutir a hipótese de se candidatar a prefeito de São Paulo, esse exemplo foi aceito e comemorado a cada evento com a participação dos pré-candidatos inscritos nesse processo pioneiro.

O partido teve uma experiência muito parcial em 1989, quando Mário Covas foi ungido pela maioria das lideranças tucanas como o candidato do PSDB a presidência da República. Mas Covas quis saber o quê pensava a maioria dos filiados em todo o país, num período em que o PSDB ainda cumpria o mínimo necessário na sua organização para ser considerado um partido. Na época votamos plebiscitáriamente sim ou não, valendo a consulta, a sensação de que um novo partido havia surgido no cenário nacional, mais democrático e em sintonia plena com as suas bases.

O PT fazia isso. As suas instâncias de participação nos seduziam, inclusive para usá-las como referências em nossas reuniões nos diretórios municipais e zonais. O PSDB respondia a esse conceito exemplar com a coexistência de dois estatutos – um para cumprir a Lei Orgânica dos Partidos Políticos (dos tempos ditatoriais ainda) e outro para servir de base e de orientação da sua militância com desejo forte de inovação e mudança.

Essa expectativa de renovação ganhou força como nunca antes nos 23 anos de existência do PSDB. Em 1987, no primeiro ano de mandato do governador Orestes Quércia em São Paulo, que correspondia ao terceiro de José Sarney na presidência da República, ambos pelo PMDB, um grupo de parlamentares na Assembléia Nacional Constituinte reagia às imposições do governo, do mesmo modo em que um grupo de parlamentares e dirigentes do partido constituíam em São Paulo uma dissidência ao comando, estilo rolo-compressor de Quércia, do PMDB.

Nos dois níveis havia uma familiaridade: o clientelismo e o fisiologismo políticos em lugar de verdadeiros projetos de interesse da maioria da sociedade brasileira. Na Assembléia Constituinte e no PMDB paulista a democracia passava ao lado de fora, sem qualquer possibilidade de participação e de discussão. Em São Paulo, por exemplo, quem não estivesse alinhado com o grupo de Orestes Quércia, dificilmente conseguiria a legenda do PMDB para disputar uma eleição municipal.

A seqüência histórica é do conhecimento de todos. Nasceu o PSDB, das costelas do PMDB, como um partido de quadros representativos da política nacional – Mário Covas, Franco Montoro, José Richa, Fernando Henrique Cardoso, José Serra, Affonso Arinos, Geraldo Alckmin, João Gilberto, Almir Gabriel, Ronaldo Cezar Coelho etc.

Agora, quando parecia dar um passo à frente na sua democracia interna e na travessia para a renovação de quadros, volta à estaca zero? Quando José Serra optou por não disputar as eleições municipais de 2012, mirando mais um projeto nacional para 2014 (a saber com Aécio Neves, Geraldo Alckmin, Marconi Perilo, Beto Richa, Tasso Jereissati etc), o PSDB paulista escolheu o caminho de liberar que a “fila” andasse, renovando expressões partidárias, oxigenando a sua organização inclusive para a perspectiva de prévias nacionais e um dia, quem sabe, promover primárias para a escolha dos seus nomes para as eleições nacionais.

O dilema que se coloca é da ordem de importância do PSDB com a sua relação com o poder e a governança dos seus princípios e propostas. O medo de uma derrota de um nome novo em São Paulo é maior que o exemplo democrático num país que não se importa com os partidos? Os partidos servem apenas para cumprir a lei eleitoral, quando dispuser de nomes para uma disputa de eleições em qualquer nível?

Sei que o maior desejo de um militante político é ter o direito e participar vivamente das decisões nos partidos políticos. A sintonia entre as direções partidárias e os filiados nem sempre é fina, prevalecendo a influência de líderes e parlamentares que argumentam sempre com os seus patrimônios eleitorais – votos, para ser mais explícito. O PSDB está numa encruzilhada: antes queria muito isso e agora pode deixar para depois.

Enfim, o que foi motivo de comemoração e de generosos espaços em todas as mídias, pelo exemplo novo, transformou agora o PSDB na Geny longe do Zeppelin? Do ponto de vista partidário acho tudo isso um retrocesso sem igual. Eleitoralmente, pragmaticamente analisando, a entrada de José Serra nesse novo cenário, que pode parecer o acesso de um descuidado numa loja de cristais, há motivos de sobra, principalmente porque os riscos são menores diante da inovação para um novo estilo de fazer política neste país.

A decisão que se coloca para nós todos é a seguinte: prévias ou Serra? Eis a questão…

Futuro do pretérito na Educação ?

Futuro do presente: Maria Júlia fará.
Nos livros didáticos e gramáticas normativas, o futuro do pretérito costuma ser relacionado às noções de hipótese, incerteza e irrealidade. Na Educação, quando os governos tencionam dar um salto para o futuro, comprando tecnologias – lousas digitais, laptops, netbooks e tablets – e só depois começam a pensar como serão usados, essa atitude tem merecido os maiores questionamentos, inclusive de educadores favoráveis ao uso delas.

O Brasil continua apresentando resultados ruins nas avaliações internas e externas. Recentemente o ex-ministro (Educação) e senador Cristovam Buarque propôs a divisão do MEC – Ministério da Educação em dois ministérios. Um seria o responsável pelo ensino técnico e superior; outro cuidaria exclusivamente da Educação Básica. Isso soa como um sonho para os educadores que se dedicam ao aprendizado infantil, das crianças e adolescentes, mas a última experiência numa definição de foco – durante o governo FHC, com Paulo Renato Souza – de priorizar a educação fundamental causou uma reação muito forte das corporações das Instituições Federais de Ensino Superior, por causa do orçamento do MEC para as escolas técnicas federais, centros de formação tecnológica e universidades públicas mantidas pela União.

Nessa mesma época, Paulo Renato iniciou o Proinfo – Programa de Informática na Educação, com uma atitude bem diferente se comparada à dos governos Lula e Dilma Rousseff. Antes de comprar milhares de equipamentos – computadores – optou-se pela criação de NTEs – Núcleos Tecnológicos Educacionais, destinados à familiarização dos educadores com as novas tecnologias.

O editorial “Tecnologia sem pedagogia”, publicado hoje no jornal ‘O Estado de São Paulo’ – http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,tecnologia-sem-pedagogia-,835153,0.htm – reflete o cenário do desperdício da tecnologia e de dinheiro que poderia ser melhor aplicado na melhoria das condições de oferta de ensino no país.

Na passagem do bastão de Fernando Haddad para Aloizio Mercadante, na condução do MEC, todas as mídias vinham anunciando a aquisição de 900 mil tablets, em princípio para uma parte dos alunos das escolas públicas (na verdade é para professores), ao custo de R$ 330 milhões.

Essa compra soma à aquisição de 150 mil laptops do projeto “Um aluno por Computador”, na época de Lula na presidência da República, cuja maioria está em desuso por falta de orientação de como fazer e aplicar ao aprendizado. Não tenho dúvida em relação à importância da tecnologia como instrumento de Educação, mas o país precisa chegar ao futuro em sintonia, para não ficar no pretérito, fazendo de conta.

Ademais, o momento é muito oportuno, com ministro novo, para tentar acertar o foco e o ritmo, sem descontinuar as políticas públicas educacionais que vêm dando certo! Ou não?

Morre Neco Sobral, quadro tucano !

Jovem quadro gestor do PSDB, elogiado por Mário Covas.
Quando Emmanuel Nóbrega Sobral tomou posse como presidente da Eletropaulo, na época (janeiro de 1996) uma empresa estatal do governo do Estado de São Paulo, ela era a terceira maior empresa brasileira em faturamento (por volta de R$ 5,4 bilhões). Ele era um jovem de 34 anos de idade, que havia deixado a direção financeira da Companhia Energética de São Paulo – Cesp, sendo bastante elogiado pelo então governador Mário Covas ao justificar o seu trabalho e a sua responsabilidade em equacionar uma dívida de R$ 3 bilhões, com grande parte no curto prazo, negociando com a Eletrobrás e o governo federal: “A Cesp enfrentou problemas financeiros gravíssimos, e ele deu conta muito competentemente”, acentuou Covas. Triste relembrar dessa passagem somente hoje, quando Neco Sobral partiu para o outro lado da vida sem se despedir de todos nós.

Neco foi um quadro técnico e profissional do PSDB, daqueles que as principais lideranças do partido sempre fizeram questão de ressaltar desde a fundação do partido em 1988. O Partido dos Tucanos nasceu como um “Partido de Quadros”, com vocação para governar. Talvez por isso mesmo, além de uma análise estritamente política da conjuntura sete anos mais tarde, o PSDB tenha chegado na infância ao governo brasileiro, tendo como meta a estabilização da economia do país e o lançamento das bases principais para a implantação de uma rede de proteção social, que passaram a oferecer safras bem sucedidas ao Brasil.

Uma grande parte desses quadros da militância do PSDB veio das universidades e da vida acadêmica. Neco frequentou esses caminhos, mas também era oriundo de uma família empresarial de São Paulo, responsável pela Sobral Invicta S/A (indústria fabricante das famosas garrafas térmicas da marca Invicta, dentre outros produtos) e também pelo estímulo à sua formação como engenheiro mecânico e administrador financeiro.

Conheci melhor Emmanuel Sobral durante a campanha que elegeu Fernando Henrique Cardoso para a presidência da República em 1994. Gilda Portugal Gouvea, nossa amiga comum e também fundadora do PSDB, foi a responsável por essa aproximação. Neco revelava uma alma vibrante e solidária. Chegava do trabalho e explanava ideias para o futuro de São Paulo e do Brasil, mobilizando-nos para as novas perspectivas. Pensava muito rápido e sorria antes de ouvir o que havíamos pensado sobre o mesmo assunto. Tinha também uma grande capacidade de aproximar e unir quadros diferentes e colocava os seus espaços pessoais para atender a essa finalidade construtiva. Gostava de organizar.

Certa vez contou uma passagem sobre o dia em que tomou posse na presidência da Eletropaulo: __ Por causa das chuvas ocorridas nessa data, a sede da empresa só não ficou às escuras, porque o prédio possuía gerador próprio. Pelo menos 10 bairros da zona sul da Capital de São Paulo ficaram sem luz e, com a interrupção do fornecimento de energia naquele momento, a estatal paulista, a maior distribuidora de eletricidade do país, com um mercado estimado em 22,2 milhões de pessoas, deixou de arrecadar R$ 605 mil. Logo Emmanuel, que abominava perdas, sabia que era um sinal para a modernização e para as medidas que iniciou, preparando a Eletropaulo para o processo de privatização.

Era impressionante ouvir de um gestor tão jovem a sua audácia. Suas ideias e resultados estavam avalizadas por uma figura tão importante e exigente como Mário Covas. Mas o endividamento da Eletropaulo, de R$ 6 bilhões, era deveras preocupante. O desafio de Neco Sobral foi grandioso e ele cumpriu o seu papel num período bastante curto no Governo do Estado.

Passos seguintes os levaram a Brasília, para a equipe do presidente FHC, no Ministério dos Transportes e, de volta a São Paulo, para a presidência da Sobral Invicta, onde mais recentemente compôs como membro do Conselho de Administração da sua empresa. Quando Horácio Lafer Piva assumiu a presidência da Fiesp, Emmanuel Sobral foi seu diretor secretário, acompanhando-o também na AACD – Associação de Assistência à Criança Deficiente, onde atuou como membro do Conselho de Administração e foi um de seus vice-presidentes.

Não me esqueço da maneira com que o ministro Paulo Renato Souza o distinguia, como amigo e gestor competente. Paulo Renato sempre foi muito exigente com os seus amigos, dentro e fora da sua equipe de trabalho. Juntos dirigiram o ISD – Instituto Social Democrata, criado no final dos anos 80 por Fernando Henrique Cardoso.

Fazia tempo que não conversava com Neco, mesmo pelas redes sociais. Nos últimos anos ele vivia em Portugal, lugar que escolheu para viver até os seus últimos dias. Vontade atendida, prematuramente, infelizmente!

Adeus, Neco Sobral, amigo e companheiro de muitas jornadas! Saudade!

Mãos à obra, “companheiros” !

Brasil vive outra Revolução Industrial.
O crescimento acelerado da economia brasileira, desde a implantação do Plano Real nos governos Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso, mostrou uma evidência, que agora vem sendo cada vez mais percebida pela sociedade brasileira: a escassez de mão de obra qualificada para as novas necessidades técnicas dos setores econômicos em transformação. Nos últimos dias, o jornal “Folha de São Paulo” reproduziu manchete sobre a ‘Falta de técnicos para telecomunicações’. Uma repetição de assunto na mídia, que atormenta quem produz no Brasil e pode competir nos mercados interno e externo.

A notícia mais recente destaca que as operadoras de telefonia e os fabricantes de equipamentos de telecomunicações precisam de 15 mil técnicos, além de engenheiros para o mesmo setor, cujo déficit atual chega a 10 mil profissionais. Não faz um ano e havia comentando sobre a necessidade de pelo menos 60 mil motoristas, principalmente carreteiros, treinados para funcionarem como gestores de unidades móveis. O profissional do volante se tornou responsável pela manutenção e para cuidar de caminhões que custam mais de R$ 500 mil.

O ensino técnico no Brasil sempre foi associado à formação de mão de obra e estava reservado às camadas mais pobres da população. Na história da educação brasileira, a legislação definia como objetivo do ensino secundário e normal a formação das elites condutoras do país; enquanto o ensino profissional objetivava oferecer formação aos filhos dos operários, aos desvalidos da sorte e aos menos afortunados, que precisavam ingressar precocemente na força de trabalho.

Esse fato motivou, por muitas décadas, o foco do país na construção de uma elite na universidade, pulando etapas básicas e necessárias à industrialização. A sociedade conservou até a estabilização da moeda no país, a ideia de que o ensino secundário, juntamente com o ensino normal e superior, era privilégio dos que detinham o saber. A Educação para o trabalho servia mesmo àqueles que executavam as tarefas manuais, de segunda categoria, prevalecendo uma divisão de classes inaceitável no mundo atual globalizado – entre os que “pensam” e os que “fazem”, e a educação profissional.

Ora, essa discussão mesclou até a edição do Decreto 2.208/97, pelo presidente FHC, que promoveu a separação curricular dos ensinos médio e técnico. Quando os cursos técnicos estavam integrados ao ensino médio, uma parte significativa dos estudantes de classe média escolhia essa opção, fundamentalmente em instituições públicas, como a melhor forma de se prepararem para os vestibulares de acesso às melhores universidades do país.

Ato contínuo às novas regulamentações, FHC criou e começou a desenvolver o PROEP – Programa de Expansão da Educação Profissional, que entre 1998 e 2002, aprovou 336 projetos de escolas técnicas, sendo 136 para o segmento estadual, 135 para o comunitário e 65 para as escolas técnicas federais. 60% desses projetos resultaram em financiamento para a criação ou modernização de escolas técnicas públicas, federais ou estaduais.

Nessa ocasião, o PT acusava o governo FHC de privatizar o ensino técnico. E em janeiro de 2003, no primeiro mês do governo Lula, o PROEP foi interrompido, determinando a paralisação de obras e a descontinuidade de projetos com legitimidade para atender, em muitas regiões do país, às carências que hoje alimentam a certeza de que o Brasil vive um verdadeiro apagão de mão de obra.

Em 2004, o ministério da Educação devolveu ao BID – Banco Interamericano para o Desenvolvimento, US$ 94 milhões não utilizados do PROEP. Mas foi em 2006, durante a campanha eleitoral para a reeleição dos lulopetistas, que o governo federal retomou o PROEP, descongelando 32, do total de 232 projetos abandonados, e, como num passe de mágica, promoveu a federalização de muitas unidades planejadas, projetadas e/ou construídas por FHC.

O debate sobre o tema “Educação para o trabalho” é sempre politizada e partidarizada pelo lulopetismo. Em São Paulo, os governos do PSDB, desde Mário Covas e continuados por Geraldo Alckmin e José Serra, foram atuantes e bem sucedidos na criação de uma ampla rede de escolas técnicas estaduais e de faculdades de tecnologia, por meio do Centro Paula Souza. Diferente do modo de fazer em Brasília, onde o governo petista de Dilma Rousseff joga todas as suas fichas numa fórmula de marketing do Pronatec – Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego, que anuncia a oferta de 8 milhões de vagas a brasileiros de diferentes perfis, e que até agora não disse a que veio.

É uma ironia ver o Brasil quase parando no momento de saltar para o futuro. Não vou falar em um mutirão nacional de formação técnica para o trabalho, mas o governo federal precisa observar e repetir o exemplo de quem faz mais e melhor. A expansão, a interiorização e a democratização na oferta de cursos de educação profissional e tecnológica não acontecerão como uma febre de mudança de rumo hoje, porque o governo Dilma peca pela ineficiência no ritmo e na execução de políticas públicas, diante a tantos escândalos na sua equipe ministerial e à incompetência do atual ministro Fernando Haddad (Educação).

Falta um “Plano Real” de Educação técnica para o emprego. Sem trocadilhos, mas vale bem um mãos à obra, companheiros!

Qual a urgência na Educação brasileira?

Educação básica é urgente.
A partir de pesquisa realizada pela Diretoria de Acompanhamento e Integração Acadêmica (Daia), da UnB – Universidade de Brasília, constatou-se uma evasão de 34% dos seus alunos entre 2002 e 2006. Nos cursos de ciências sociais e história, esse percentual salta para mais de 60%, enquanto da área de ciências exatas 44% se desligaram no período analisado. Na rede, comentando esses números, o senador Cristovam Buarque, primeiro ministro da Educação do governo Lula, alimentou o debate sobre a necessidade de redefinir o foco governamental sobre a questão educacional. Como na maioria das suas intervenções e interatividade com internautas, o senador defende que o baixo rendimento, apontado como principal motivo da evasão acadêmica, seria revertido com o governo federal priorizando o ensino básico.

Durante o governo FHC, o ministro Paulo Renato Souza (Educação) optou claramente em melhorar as condições da escola fundamental, organizando o sistema de informações educacionais (“refundou” o Inep – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), criando mecanismos de avaliação do aprendizado, institucionalizando novas fontes de financiamento a partir do Fundef – Fundo de Desenvolvimento da Educação e de Valorização do Magistério, universalizando a matrícula de crianças de 7 a 14 anos de idade, avaliando os livros didáticos e elaborando os PCNs – Parâmetros Curriculares Nacionais entre outras medidas.

A comunidade das IFES – Instituições Federais do Ensino Superior reagiu à essa orientação e politizou o debate, argumentando que FHC havia abandonado e sucateado as universidades. Em nenhum momento, nessa discussão, houve honestidade por parte dos seus interlocutores, nos partidos de oposição principalmente, em confirmar que o orçamento federal não fora reduzido e que os maiores percentuais sempre foram investidos nas próprias IFES.

Para algumas vozes, que se dizem da esquerda brasileira, o governo Lula foi eleito para “salvar a educação pública”, mas não tem conseguido resolver minimamente a questão do acesso às vagas públicas de ensino superior. Ainda segundo elas, as políticas apresentadas como “democratização do acesso” apenas têm criado uma cortina de fumaça que esconde o real problema da necessidade de abrir mais vagas, criticando que o ‘Novo Enem’, o ‘SISU’, ‘ProUni’ e ‘Fies’ são drenos de dinheiro público que poderia ser usado para aumentar as vagas nas universidades públicas.

Está cada vez mais claro que a questão da Educação no Brasil não se resolve apenas com mais recursos no orçamento do MEC – Ministério da Educação. Nos últimos dez anos, o dinheiro para essa pasta subiu de R$ 19 bilhões para R$ 69 bilhões, mas a qualidade do ensino não acompanhou na mesma proporção, tanto em relação aos números de beneficiados quanto na eficiência da gestão de programas que apresentam falhas contínuas e perdem qualidade.

Conforme diretrizes do Reuni – Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais, do MEC, pensando no financiamento como um dos pontos centrais para a mudança profunda da educação e para que a universidade possa seguir seus caminhos de forma autônoma, cogitam aplicar no mínimo 75% do orçamento no ensino superior. Não prevêem de onde virão os recursos para atender a essa perspectiva, muito menos como Estados e Municípios suportarão as demandas do ensino básico sem outras fontes além do suposto fundo social do Pré-Sal, que seria constituído com 50% de dinheiro carimbado para a Educação.

Ora, o debate do financiamento da Educação brasileira em todos os níveis precisa ser priorizado. O senador Cristovam fala em um Ministério da Educação Básica e na federalização do financiamento do ensino básico, apenas para começar a corrigir as distorções do sistema educacional e construir o aprendizado de maneira sólida e com perspectivas melhores. Entre os resultados negativos do ensino superior e a politização das IFES sem caminhos mais concretos, sou defensor intransigente de que a Educação básica seja uma urgência do Brasil.

Ministro Haddad mente ou tergiversa?

Princípios do Ministro da Educação?

De um ministro de Estado da Educação, a sociedade sempre espera exemplos que contribuam para a melhor formação das novas gerações. Porém, esse princípio foi desviado por Fernando Haddad, logo no começo de sua campanha antecipada para a Prefeitura de São Paulo, pelo PT. Numa reunião com sindicalistas e militantes do seu partido, na região do Grande ABC, o ministro Haddad aproveitou a onda de realizações e sucesso do governo estadual do PSDB paulista, com a ampliação do número de Etecs e Fatecs (escolas técnicas e faculdades de tecnologia) do Centro Paula Souza, para se apropriar dela com a sua prancha de surfe e, ao mesmo tempo, revelar o velho truque petista da mentira, tentando ganhar uma discussão na história, com críticas gratuitas ao governo FHC.

Fernando Haddad, a exemplo da então candidata a presidência da República, Dilma Rousseff, usa os palanques para afirmar que os tucanos não dão importância ao ensino técnico profissionalizante, com uma ressalva oportunista sobre as políticas dos governos de José Serra e Geraldo Alckmin, em relação à Educação para o trabalho. Segundo o ministro, “é preciso reconhecer a excelência da Paula Souza”, emendando que o governo federal pretende apoiar a autarquia estadual para ampliar o número de vagas nas Etecs e Fatecs. Ora, se está há vários anos no mesmo cargo, porque essa disposição é anunciada apenas agora, na véspera da sua desincompatibilização para a disputa eleitoral?

Assumindo um lado empreendedor sobre as experiências bem sucedidas dos governos tucanos, o ministro utiliza o ardil de acusá-los sem qualquer fundamento, falseando o exemplo de que “FHC preferia prejudicar a população a apoiar governadores e prefeitos que não fossem de partidos da base aliada”. Não tenho dúvida que essa “lembrança” agrade aos seus comuns de memória curta.

Não encontro outra explicação para essa versão fantasiosa e mentirosa, senão um artifício para tentar esconder a sua incapacidade de gestão no MEC, que, dentre tantos desacertos, o mais gritante é o fracasso sucessivo na realização do Enem. Essa catilinária frontal contra FHC é pura tergiversação, com fundo de mentira; um comportamento inadequado para alguém que pretende dirigir a maior cidade do Brasil.

O PT é useiro e vezeiro nesse expediente. E Haddad, que não conhece bem São Paulo e sabe menos de FHC, consegue logo na sua primeira experiência eleitoral concentrar em uma única figura o pior exemplo que se tem dos políticos, o descompromisso com a verdade.

Exercitando a boa memória, relembro que num determinado período do governo federal do PSDB (2001), o atual ministro era assessor da ex-prefeita petista Marta Suplicy, e hoje duvido que ele não tenha colaborado para tentar impedir que o Programa Bolsa Escola chegasse às famílias carentes do município. Mas não creio que aja mais por ignorância, do que por uma lapso de memória, quando não registra o apoio recebido de FHC pelos governos estaduais petistas do Distrito Federal (Cristovam Buarque), Acre (Jorge Viana) e Espírito Santo (Vitor Buaiz), que apenas serve para contrariar a sua esperteza.

Também não é verdade que FHC decretou a proibição da expansão do ensino técnico federal, porque mais de 100 escolas e milhares de vagas foram criadas em modalidades diferenciadas de financiamento e gestão, que o PT aproveitou para federalizar como suas iniciativas. Durante o governo FHC, portanto, as novas escolas técnicas deveriam ser criadas pela União sempre em parceria com os Estados, o setor produtivo ou entidades não-governamentais.

Enfim, o ministro Haddad começa mal a sua participação eleitoral, mentindo e tergiversando, ao mesmo tempo.

Enem, entre as boas notícias.

Exame Nacional em 2011, boa notícia.

Registro a minha satisfação ao constatar que o Enem – Exame Nacional do Ensino Médio foi realizado no último fim de semana de maneira tranqüila, quase exemplar como na época em que foi criado e bem sucedido no governo FHC. Em todas as mídias, durante o domingo (23), era possível reconhecer que as provas aconteceram sem sobressaltos, porque desta vez o MEC – Ministério da Educação foi feliz na gestão, executada pelo consórcio formado pelo Cesp/UnB – Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília e pelos serviços especializados da Fundação Cesgranrio, reocupando o espaço reservado às boas notícias.

Normalmente esse espaço é muito inferior, se comparado com os acontecimentos durante o governo Lula, do vazamento de provas, erros de impressão e edição de cadernos, desqualificação de empresas coordenadoras, insegurança institucional, universidades descredenciando o uso das notas do exame, prejuízos vultosos para os estudantes, as famílias, o MEC e o país. Neste ano, os incidentes foram os normais por ocasião de grandes concursos: estudantes atrasados, alguma confusão com o lugar da aplicação das provas, uso indevido de celulares, abstenção de mais de um milhão de inscritos.

Cerca de 5,4 milhões de estudantes estavam inscritos, cada um com o seu sonho e objetivo traçado, numa época em que a crença nos rumos da Educação no Brasil ainda continua em baixa.

Quero acreditar que os erros espetaculares no Enem (já relacionados), que comprometeram a credibilidade do MEC e do Inep – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, serviram para os acertos e a tranqüilidade. Isso não quer dizer que devemos esquecer as necessárias mudanças para tornar esse acontecimento educacional uma prática ainda mais bem sucedida.

Li nas redes sociais, a opinião de governistas lulodilmaPTistas, comemorando o feito deste ano, com a mesma arrogância dos tempos em que o presidente Lula não reconhecia a reincidência de erros, atribuindo à imprensa (ou PIG – Partido da Imprensa Golpista, como caricatura dos atuais representantes de esquerda festiva) como responsável pela identificação ou criação de notícias sobre os insucessos passados.

Sei que o ministro Fernando Haddad e o Inep apostaram alto nesse resultado positivo, que a meu ver teve a concentração de competências e esforços da Fundação Cesgranrio, bem sucedida em edições de muitos anos atrás. Não vou promover o fato do sucesso, como se fosse o teste de fogo do atual ministro da Educação, que neste momento está bastante preocupado com a sua pré-candidatura a prefeito de São Paulo pelo PT, ou que a influência da presidente Dilma Rousseff foi determinante para os cuidados maiores.

Já escrevi em outra oportunidade sobre a opinião de especialistas educacionais e do ex-ministro Paulo Renato Souza, que foi o responsável pela implantação do Enem, criado em 1998, de que a origem da maioria dos problemas do exame nacional estava na mudança do caráter do mesmo. Ele foi concebido para aferir a habilidade e a competência que os jovens deveriam ter no final do ensino médio, porém o governo federal, a partir de Lula, tentou transformar o exame em vestibular nacional, como num estalar de dedos, sem adotar as devidas medidas preventivas para tanto.

Ao final de 2002, o Enem já tinha uma base de dois milhões de alunos; agora conta com quase três vezes mais estudantes inscritos. Pelo que se observa, importa menos a habilidade e a competência da juventude diante da qualidade do ensino oferecido, para seduzir aos milhares em direção à habilitação para as bolsas do ProUni ou para o ingresso nas universidades.

Por fim, confesso que, quando o tema é Educação, reduzo a zero as preocupações de natureza ideológica e partidária. Políticas bem sucedidas para o setor não devem ser descontinuadas. Aposto e quero que dêem certo, porque assim vamos ter um país melhor de fato, com valores privilegiados e uma Nação caminhando sem sustos. Acredito que o ex-ministro Paulo Renato, a quem tive a honra e o orgulho de assessorar no MEC de 1995 a 2002, onde quer que esteja, deve estar feliz com essa percepção e este registro singular.

O seu idealizado Enem está voltando às origens, pelo menos em se tratando da sua organização e aspectos operacionais, da boa notícia. Salve, Educação do Brasil!

Capital humano nas redes sociais!

Capital Humano em rede.

A criação de uma plataforma para discussão de temas importantes do presente e do futuro para a Capital de São Paulo, com o portal “Sua Metrópole” – http://www.suametropole.com.br – revela o espírito inovador no modo de fazer política partidária no país. Recordo que ouvi essa intenção de FHC, num evento partidário logo após o fim do seu mandato na presidência da República, em 2003, alertando militantes e dirigentes do PSDB para o uso da Internet no conceito de redes e horizontes mais largos.

Com muito atraso, melhor do que nunca, o PSDB vem construindo a sua militância virtual. Nas eleições de 2010, quando Xico Graziano coordenou os grupos de discussão na plataforma “Proposta Serra”, observamos a primeira reação favorável da sociedade, inclusive despartidarizada, no debate de ideias por um Brasil melhor.

FHC falava sobre sair do “nós com nós” e partir para a extensão do partido junto de todos os segmentos da sociedade. As estruturas partidárias são viciadas num modelo cartorial, onde prevalecem dirigentes resistentes em abrir a legenda à participação geral, talvez com receio de perder o controle da máquina política. No PSDB essas diferenças começam a ser corrigidas.

“Sua Metrópole” surge impulsionada pelo passo decisivo do PSDB-SP com a aprovação das prévias para escolher os seus candidatos a prefeitos, nos municípios onde tiver mais de um pretendente. E considero bastante feliz a análise do presidente FHC, nesse momento, ao sintetizar o papel das redes sociais nesse novo contexto e de olho no capital humano das grandes comunidades urbanas: as redes sociais são capazes de aumentar a participação da sociedade, ampliando o debate. Isso gerará forças suficientes para influir nos setores e locais onde as decisões são tomadas.

Captei isso com a câmera de vídeo do meu celular: FHC Democracia 2.0

Amy nos enluta

27 anos de idade hoje em dia significa mais de 1/3 da nossa expectativa de vida. Dói testemunhar perdas prematuras como a da morte da cantora Amy Whinehouse. Surpreenderia se Amy conseguisse viver muito mais com os seus usos e costumes, mas ninguém torcia pela sua vida breve. Não foi o melhor exemplo para os nossos filhos, tal qual ídolos nossos que tiveram o mesmo destino e também se foram aos 27 anos, como Janis Joplin, Kurt Cobain, Jim Morrison e Jimi Hendrix. Compreendo a realidade. Incluo-me entre aqueles que não optaram pelo uso das drogas, atento às informações e percepção do meu meio ambiente. Por isso acho que faz todo sentido FHC despertar o Brasil e o mundo para a organização e tratamento desse destino. Vida breve não faz sentido!

Adeus, Professor Paulo Renato !

Estou chocado com a morte de Paulo Renato Costa Souza, um homem que aprendi a admirar quando passei a conhecer a sua capacidade de trabalho e dedicação na Secretaria de Estado da Educação de São Paulo, durante o governo de Franco Montoro, em 1985. Dez anos mais tarde, no governo Fernando Henrique Cardoso, tive a honra de fazer parte da sua equipe no Ministério da Educação em Brasília. No começo da madrugada deste domingo (26), fui avisado pela também amiga Gilda Portugal Gouvea, que Paulo Renato passava o feriado em um hotel no município de São Roque e teve um infarto fulminante.