Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Blog do Raul

Educação não é tudo… (?)

Poucos minutos antes do encerramento da votação, nas eleições deste ano, escrevi este texto para revelar as minhas primeiras impressões da campanha que ora encerrava. Os leitores sabem que concorri a uma vaga de deputado federal pelo PSDB, que fiz uma campanha como candidato temático da Educação e que consegui convencer apenas 31.468 eleitores. Porém, não vou culpar o tema pelo insucesso eleitoral, se bem que na hora do voto outros argumentos justificaram outras escolhas.

Nas ruas, durante os últimos 60 dias, a grande maioria dos eleitores pareceu mais preocupada com a disputa para a presidência da República, indiferente com a composição do próximo Congresso Nacional, que é a trincheira do povo perante os rumos políticos do país. Jamais escondi a minha preocupação com a possibilidade de vitória do lulopetismo no primeiro turno, que significaria a prorrogação do atraso político que ninguém quer, mas que timidamente reage para impedir que aconteça.

Hoje pela manhã, minha filha enviou um SMS enquanto estava em aula, preocupada comigo e justificando que não havia ligado de São Paulo porque “não sabia o que falar” para o seu pai, numa hora difícil da derrota. Minimizei, tranquilizando-a, e acho que exagerei. Disse que não ficaria bem na foto no Congresso Nacional ao lado do Tiririca e de outros sem qualificação.

Entenda que concorri a mais essa eleição para deputado, justamente porque ainda acredito na chance de limpar o Parlamento, com os mesmos ideais democráticos que sempre nortearam a minha militância social, política e partidária. Queria me eleger, mas, do lado de fora do Congresso, espero que os deputados federais e senadores eleitos e reeleitos iniciem uma discussão dentro e fora do seu âmbito, sobre reformas política, partidária e eleitoral reclamadas há muitos anos pela sociedade e pelas próprias instituições.

O espaço reservado ao debate temático ainda é muito restrito e menosprezado no atual sistema político. Não só pelas limitações dos meios de comunicação, exceto a Internet que neste ano protagonizou um grande avanço, mas também pela estratégia dos partidos políticos que optaram investir em nomes do cenário artístico, cultural e esportivo, que se respaldam apenas nas celebridades e não nas ideias para o país.

É preciso focalizar a divisão do Estado em distritos, ampliando o caráter de mobilização de lideranças regionais e a importância da segmentação das suas propostas, que fortaleçam a representação e as potencialidades durante o próximo mandato. A Baixada Santista, por exemplo, alvo da expectativa econômica e social, por causa dos anúncios de descobertas de gás e petróleo na Bacia de Santos, não aprofundou a discussão sobre os investimentos necessários e qual a atenção destinada à formação técnica de jovens e trabalhadores atuais para as novas demandas dos cerca de 50 mil empregos a serem criados.

O tema da minha campanha “Educação é tudo” motivou que eu fosse convidado a raras palestras em escolas e universidades. Fiquei pasmo com o desinteresse regional, enquanto o tema fragmentado estava incluído genericamente por outros concorrentes ou não ao mesmo cargo, quando deveria ser tratado como uma urgência para o país e, pela sua importância, motivar o envolvimento das pessoas em função da sua conexão com o futuro.

A campanha deste ano não priorizou temas e optou pelo atalho dos elevados custos, que tornam a disputa mais desigual. Participei com a consciência de um semeador. Estou confiante de que um dia os resultados frutificarão, apesar de contrariado com a atual posição predominante na política, do jeito como ela valoriza as ideias, que Educação ainda não é tudo!

Compartilhe

105 comentários em “Educação não é tudo… (?)”

  1. Maria Aureliano

    Boa Tarde!

    Gostaria de saber como fazer para apoiar e trabalhar na campanha do José Serra, em Cubatão.
    Se houver um representante com quem devo falar?

    Beijos.
    Obrigada.

  2. Luana de Medeiros Botelho

    Flávia,
    Acabo de vir do Vale do Ribeira, onde tenho amigos q moram em comunidades quilombolas – são descendentes de ex-escravos deste país. Há um casal mto querido, q ñ lê revista Exame, ñ fala inglês, ñ tem faculdade (ainda). Mas entendem E MUITO de política. Pq eles precisam lutar dia a dia 1) p/ construir perspectivas de estudo e trabalho para os jovens da comunidade, p/ que ñ sejam presa fácil do êxodo 2) há mais de vinte anos contra uma barragem que é do interesse da Votorantim, mas que vai alagar áreas de comunidades históricas, mata atlântica (o restinho!), riqueza espeleológica, humana, ambiental… 3) lutam dia-a-dia p/ cada simples conquista, como o direito de poder levar uma criança ao hospital e evitar uma complicação na saúde dela, em vez de terem q insistir em três viagens e só na terceira consulta conseguirem q a criança seja de fato examinada, qdo afinal descobrem que é preciso drenar o pulmãozinho dela
    Assim sendo, Flávia, mtas pessoas dessas comundidades quase passaram fome e passam com certeza dificuldades que vc e eu ñ conhecemos. Mas esse casal, q certamente já passou por coisas difíceis, me ensinou mto sobre política nesses 3 dias em q estive lá. Pq política é cuidar da vida em comunidade, em sociedade, do país, e não só conhecer os índices econômicos e as tendências do eleitorado.
    Poucas pessoas q conheço conhecem tão de perto e tão de dentro a política em suas regiões quanto essas q visitei. E ñ é por causa do inglês, da faculdade, da revista Exame. Tudo isso ajuda sim, e muito. Mas ora veja, há algo de mais essencial e mais “dia a dia” na política, um olhar que precisa se desenvolver para então poder ser ampliado.
    Ñ, eu ñ vou desejar q vc fique no Brasil SE VC Ñ QUER!E isso ñ tem nada a ver com seu valor como pessoa. Eu ñ a conheço, o pouco q li mostra uma pessoa batalhadora, como eu disse, espero q seja feliz. Mas mostrou-se tbm uma pessoa amarga e desiludida com o país. O que é natural em tempos de eleição. Mas se vc acredita q sua felicidade está em outro país, então q vá. Se tem um mínimo de esperança e mta vontade de lutar por este nosso país, sem desvalorizar sua gente, então q fique, e façamos isso juntas.
    Ñ sei de onde vc pode ter tirado, no meu comentário, q me sinto feliz com o Tirica eleito. Mas tenha toda certeza de q minha última preocupação, num país como o nosso, será incomodar-me por ñ poder sair com uma correntinha de ouro na rua.
    Há 4 anos acompanho (de perto) a situação das comunidades quilombolas, há cerca de 6 o das comunidades indígenas, faço parte da associação ocareté (ocarete.org.br) e há 10 anos atuo também como arte-educadora nas regiões periféricas de São Paulo. Há pessoas próximas q vi passarem por coisas horríveis, e jamais vou me lamentar por ñ poder sair com uma correntinha de ouro na rua. Enxergamos as coisas de maneiras diversas, sentimos de formas diferentes, é simples assim.
    Meu país e meu mundo eu FAÇO a cada dia ao lado de pessoas q amo. Acho q eles podem ser mto melhores, por isso me levanto a cada dia e busco contribuir p/ isso.Pude dentrar em contato c/ a obra e palavras de Milton Santos, Paulo Freire, Aziz Ab´Saber, Orlando Villas Boas, Darcy Ribeiro, Florestan, Dino Pretti, Krenak, Marcos Bagno, Antonio Candido,Alfredo Bosi, Marcos Ferreira dos Santos, Rita Laura Segato,Cecília Meireles e tantos outros mestres e mestras… Sei de qual país estou falando.
    Nossos problemas, nossas riquezas… são outras. Ñ as da Europa. Ñ necessariamente a solução está “no primeiro mundo”. Ñ é com a liberdade de ir e vir da correntinha de ouro q tou preocupada. Pelo visto, vc tem em sua trajetória coisas tão valiosas qto a revista Exame q leu, mas ñ acredita q isso é tão formador assim, e talvez por isso escorregue ao falar do país.Crítica sim, auto-sabotagem não! Eu acho q ser garçonete, camareira e voluntária é tão ou mais formador do q a revista e o inglês. Cada coisa tem seu lugar, e uma parcela da sociedade brasileira reproduz uma visão de país q quer colocar para debaixo do tapete o q há de mais original, ainda q problemático.
    Se quiser continuar a conversa, [email protected]
    Um abraço, e felicidade! Da maneira como sua consciência e seu coração acharem melhor.

  3. sérgio g. pinto

    meu irmão Raul: não foi uma derrota sua, mas de todos nós. Admirei-me, e é possível conferir, que tantos candidatos a deputados federais de fora da região tivessem um grande número de votos; SANTISTA que se preza vota em candidato da região. Aliás, surpresa maior foi de que a própria imprensa local não incentivasse essa conduta. Vi, apenas numa propaganda do Marcio França, essa sugestão, inclusive citando os nomes dos demais candidatos a federais caso não se sufragassem o nome (atitude que cumprimentei via email). Tiririca com votos em Santos; e outros…). Retomo a discussão de que o nosso país deveria ser parlamentarista e com voto distrital; não pode ser de outro jeito para a garantia da democracia. todo o meu abraço carinhoso para você e muita paz. Sérgio G.

  4. Luana de Medeiros Botelho

    Sakamoto, ótimo jornalista, afirma, de um jeito muito feliz,e reproduzo aqui:
    “Eu não acho que o que faço é mais digno do que um gari, um garçom ou um faxineiro. Sem demagogia, apenas é uma divisão de trabalho.
    Quem se acha melhor porque estudou mais precisa fazer terapia. Ou ler Patativa do Assaré.”
    O tom e o teor dos lamentos no twitter dos eleitores de Serra, que atribuem o “mal-feito” da eleição de Dilma ao nordeste, tem absolutamente TUDO A VER com isso que é revelado aqui:
    http://blogdosakamoto.uol.com.br/2010/11/01/breve-comentario-sobre-preconceito-no-twitter/

    Educação é fundamental para o país sim.
    Arrogância não.Preconceito também não.

  5. Célia Fontes

    NÃO HOUVE DERROTA ALGUMA. APENAS NÃO

    É A HORA AINDA. ABRAÇOS.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *